Conglomerado flutuante para o turismo e lazer dos manauaras – por Altemir Viana

Flutuantes para lazer na enseada do Rio Tarumã, Manaus-Amazonas - foto: Altemir Viana

Quem diria que os flutuantes, há décadas moradias simples e humildes dos ribeirinhos amazônicos que vivem em áreas alagadiças de várzeas, agora viraram objetos de desejo dos manauaras e turistas como opção de lazer, seja de aluguel de diárias e pernoites, para quem deseja passar o dia descansando e divertindo com amigos e familiares, seja como restaurantes e bares, servindo refeições regionais tal qual as encontradas nos melhores restaurantes da cidade.

Conglomerado flutuante

Os flutuantes são empreendimentos que estão aquecido nos dois segmentos (de aluguel e de restaurante), na cidade de Manaus, segundo dados da Associação dos Flutuantes do Tarumã Açu (AFLUTA), apontam que existe um ‘conglomerado’ de aproximadamente 400 flutuantes operando nesse ramo, com envolvimento cerca de 10 mil pessoas nos finais de semana, em toda a cadeia produtiva entres usuários, comerciantes, barqueiros e proprietários dos flutuantes.

A Enseada do Tarumã abriga algo em torno de 400 flutuantes – foto: Altemir Viana

A promoção do turismo influenciada pelos flutuantes, geram renda e mais empregos para a região manauara, impulsionando o desenvolvimento econômico da cidade e empregando nossa gente. Estima que por meio de diárias e pernoites movimenta cerca de R$ 4,3 milhão por ano, com notável importância para o desenvolvimento econômico sustentável do setor.

A maior preocupação é de não transformar numa nova “cidade flutuante”, por isso,  a necessidade de ter um marco legal para ordenamenro territorial e ocupação do rio Tarumã Açu. A licença de instalação de novos flutuantes estão suspensas até que seja  apresentado o Plano de Bacia Hidrográfica do Tarumã-Açu, que vai determinar, entre outras questões, a capacidade do corpo Hídrico do Tarumã,  elaborar critérios técnicos para orientar a gestão da área – incluindo o zoneamento da bacia e a viabilidade de concessões de lâminas d’água, que está sob a responsabilidade da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) para a construção do Plano de Bacia do Tarumã-Açu.

Com capacidade para 25 pessoas, o confortável flutuante Moronguetá pode ser alugado para os finais de semana – foto: Altemir Viana

Os flutuantes atualmente são promotores de turismo sustentável e opções de lazer que atraem turistas e manauaras para desfrutar das belezas naturais da Amazônia, gerando emprego e renda.

Altemir Viana – sociólogo e consultor políticos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui