Especialista orienta sobre como agir em quadro de parada cardiorrespiratória


Médico Sérgio Timermann/Foto; Divulgação
Médico Sérgio Timermann/Foto; Divulgação

Como reagir diante de um quadro de Parada Cardiorrespiratória (PCR)? O Dr. Sérgio Timerman, especialista em clínica médica, cardiologia e terapia intensiva e emergência e Diretor Nacional de Ciências da Saúde da Laureate Brasil, explicou passo a passo o que fazer diante dessa situação durante a palestra “O Futuro da Morte”, na noite de quinta-feira (27), no Centro de Convenções do Manaus Plaza Shopping.

O evento encerrou a programação do Ciclo de Palestra Presença UniNorte, que aconteceu durante todo o ano de 2014 em comemoração aos 20 anos da instituição. Mais de 1,5 mil pessoas assistiram a palestra de Timerman, que é diretor da Escola de Medicina da Universidade Anhembi Morumbi, Doutor pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, diretor da Divisão Clínica do Laboratório de Pesquisa, Treinamento e Simulação em Emergências Cardiovasculares do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas e diretor da RECAPI InCor (Comissão de Ressuscitação do InCor).

Timerman explicou que há cinco diretrizes que todos precisam conhecer para agir diante de um quadro de PCR, podendo assim salvar a vida da outra pessoa. As diretrizes, chamadas também de “elo de corrente de sobrevivência”, são: reconhecer uma PCR e, imediatamente, chamar o resgate; começar a compressão cardíaca; usar o choque elétrico (desfibrilador); conseguir se deslocar no mínimo de tempo até ao hospital e receber atendimento médico efetivo.

Segundo o Dr. Timerman, 70% a 80% dos casos de paradas cardíacas acontecem em casa,  20% a 25% ocorrem em locais públicos e, diariamente, cerca de 1500 pessoas morrem por falta de conhecimento da população de como proceder de imediato. “Essa situação poderia ser bem diferente com treinamento e esclarecimento sobre como proceder diante da situação”, comenta.

O Dr. Timerman ainda deu exemplo de lugares onde a população é ensinada a como proceder nessas situações e países onde há suporte de salvamento em lugares públicos, que ajuda a garantir a sobrevida de pessoas que tiveram parada cardiorrespiratória. O médico ainda deu exemplo do trabalho  implantado por ele e sua equipe no metrô de São Paulo, que vem salvando a vida de pessoas que frequentam o lugar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui