Futebol feminino atrai novos patrocinadores e conquista mais audiência no mundo

Time feminino do Botafogo, da coordenadora Rose de Sá, conquistou acesso à elite nacional e título carioca em 2019 Foto: Vitor Silva/Botafogo

O anúncio dos grupos do torneio de futebol feminino nos Jogos Olímpicos de Tóquio, quando o Brasil enfrentará na primeira fase as seleções da China, Zâmbia e Holanda, não é visto no mundo esportivo apenas como uma nova oportunidade de buscar o ouro, ainda inédito para as brasileiras. A grande movimentação de torcedores, patrocinadores, imprensa e até do mercado global de transferências em torno da modalidade confirma a ascensão das mulheres no futebol nos últimos anos – o que demonstra o seu imenso potencial não apenas em termos de monetização, mas também pelo que isto representa na busca pela igualdade de gênero.

Mesmo em meio à pandemia, o futebol feminino continua registrando avanços importantes no Brasil e no mundo. Balanço divulgado pela Fifa em fevereiro aponta que as transferências internacionais de jogadoras no início do ano, embora tenham se mantido praticamente estáveis em números absolutos (177, contra 185 em janeiro de 2020), movimentaram mais de US$ 310 mil, ou cerca de R$ 1,68 milhão na cotação atual. Esse montante é 60% acima do registrado na janela de transferências do começo de 2020.

A Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2019, realizada na França e que sagrou o tetracampeonato dos EUA, já havia comprovado essa tendência ao registrar uma audiência recorde de 993 milhões de telespectadores na TV e outras 482 milhões de pessoas que acompanharam o torneio pelas plataformas digitais, de acordo com dados da consultoria Deloitte. A audiência média global, de 17,3 milhões de telespectadores por partida, representou mais do que o dobro da que havia sido registrada na Copa do Mundo feminina de 2015, realizada no Canadá, quando houve 8,4 milhões de telespectadores por jogo.

Somente entre os norte-americanos, mercado reconhecido no mundo todo pela excelência na promoção de espetáculos esportivos, a final do mundial feminino de 2019, com a vitória dos EUA sobre a Holanda por 2 a 0, em Lyon, teve uma audiência 22% superior à final do torneio masculino de 2018, que coroou o bicampeonato da França com vitória por 4 a 2 sobre a Croácia, em Moscou. A próxima edição da Copa do Mundo feminina será realizada em 2023 na Austrália e na Nova Zelândia – e a expectativa é de que a audiência global da modalidade cresça ainda mais.

Segundo a Deloitte, o crescimento dos esportes femininos em todo o mundo pode entregar aos patrocinadores uma melhor relação custo-benefício do que os seus equivalentes masculinos. A maior facilidade de fechar negócios e a esperada curva de crescimento mais íngreme nos próximos anos são outros pontos que também contam a favor das modalidades praticadas pelas mulheres, aponta a consultoria.

Perspectiva nacional

No Brasil, a maior adesão dos clubes ao futebol feminino e o crescimento de competições como Campeonato Paulista, Campeonato Carioca e Brasileirão das séries A1 e A2 hoje conquistam mais atenção do público. O crescente potencial de geração de receita das equipes femininas e a atração de marcas renomadas ajudam a explicar esse movimento.

Foi justamente com o apoio de novos acordos de patrocínio que alguns clubes não só retomaram a prática da modalidade feminina como ainda conquistaram resultados dentro de campo. O Botafogo, por exemplo, firmou em dezembro de 2020 um contrato com Centrum, marca da GSK Consumer Healthcare, resultando no primeiro acordo da história do clube para patrocinar simultaneamente as equipes masculina e feminina de futebol. O contrato, válido até o fim de 2021, foi fechado depois que o glorioso retomou o futebol feminino em 2019, após alguns anos de inatividade.

Já com o apoio do novo patrocinador, o elenco feminino do Botafogo conquistou em janeiro o acesso à elite nacional, após o vice-campeonato do Campeonato Brasileiro Feminino Série A2 de 2020 (encerrado em 2021, por conta da pandemia), e levantou em março a taça do Campeonato Carioca Feminino da temporada 2020/2021, após bater o Fluminense por 2 a 0 na final disputada no Estádio Nilton Santos.

O acordo entre Botafogo e Centrum não se limita à exposição da marca nos uniformes e também deu origem ao projeto Botafogo Seguro – cujo propósito é proporcionar maior segurança para os atletas e todos os profissionais envolvidos na realização do futebol durante a pandemia, além de alertar a população sobre a importância dos métodos de prevenção ao coronavírus. Além disso, o Nilton Santos se tornou o primeiro estádio do pais a adotar protocolos específicos de segurança.

A iniciativa também contempla o incentivo e a valorização do futebol feminino, que sofreu grande impacto pela COVID-19. O objetivo é assumir o compromisso de valorizar e investir na retomada dessa categoria como uma das ações de combate aos efeitos da pandemia, incentivando a presença da mulher no esporte.

Homenagem às atletas

A perspectiva é de que a evolução do futebol feminino continue atraindo o interesse de mais marcas interessadas em explorar a crescente visibilidade da categoria – além de gerar mais reconhecimento da modalidade. Um exemplo disso aconteceu no começo de abril, quando as jogadoras do Botafogo receberam placas especiais para celebrar a conquista do Campeonato Carioca 2020/2021.

A homenagem, uma iniciativa do clube em parceria com a marca Centrum, foi feita para as 28 atletas que integram o elenco campeão, além do técnico Glaucio Carvalho e da coordenadora de futebol feminino Rose de Sá. A galeria de fotos mostrando a entrega das placas pode ser acessada por esse link. (O crédito das imagens é Vitor Silva/Botafogo.)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui