Governo cria ´Legado Olímpico´ e apadrinha nomes da Juventude do PMDB

oto
Ministro Padilha continua dando as cartas/Foto: AgBr

O chefe da Casa Civil do Palácio do Planalto, Eliseu Padilha, a despeito da situação muito delicada como citado na Lava Jato, continua dando as cartas e ajudando os amigos.
O Diário Oficial da última quarta-feira (19), traz sob sua canetada a contratação de oito nomes da Juventude do PMDB para a AGLO (Agência Governamental do Legado Olímpico), recém-criada pelo governo e que funcionará no Parque Olímpico no Rio e da qual não se tem ideia ainda de qual será sua função.

oto
Ministro Padilha continua dando as cartas/Foto: AgBr

Os oito novos contratados, que foram indicados pela Juventude de Goiás, terão salários  entre R$ 15 mil e R$ 18 mil. Para um Governo que prega o corte de custos.

O órgão, sob o guarda-chuva do Palácio, terá cerca de 90 cargos e o responsável pelas indicações é um protegido de Padilha, Pablo Rezende, derrotado na última eleição para vereador no interior de Goiás.

A AGLO trata-se de uma nova versão da APO (Autoridade Pública Olímpica), extinta no início do mês.

A extinta APO, aliás, bateu cabeça com a gestão de Eduardo Paes na prefeitura e não entregou a prestação de contas de gastos do Governo federal na Olimpíada do Rio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui