Janot concorre a novo mandato na PGR pedindo para ‘terminar o que começou’

Procurador Rodrigo Janot/Foto: Reprodução

O primeiro debate entre candidatos ao cargo de Procurador-Geral da República para os próximos dois anos, realizado na manhã de hoje, segunda (29), teve a condução da Operação Lava Jato como ponto de maior polêmica. Sob críticas pela forma como guia o caso, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu sua atuação e pediu votos à categoria para “terminar o que começou”. Janot disse que o País vive um “grave momento” e falou em “descomunal caso de corrupção”, em referência ao escândalo da Petrobras.
O procurador-geral defendeu que as mudanças estruturais realizadas permitiram que o Ministério Público enfrentasse a investigação com “profissionalismo”. “Não foi e não está sendo fácil”, afirmou Janot. O mandato do procurador-geral se encerra em setembro e a eleição interna que define a lista tríplice de candidatos a ser encaminhada à presidente Dilma Rousseff está marcada para a primeira semana de agosto. A presidente escolhe então um nome e o submete à aprovação do Senado.

Candidato à vaga de Janot, Carlos Frederico Santos aproveitou o debate para reforçar críticas à forma de condução das investigações da Operação Lava Jato. Para ele, o procurador-geral poderia ter “amadurecido” mais as provas contra políticos antes de apresentar o pedido de abertura de inquérito ao STF. “Por que levamos à Polícia Federal se poderíamos ter resolvido isso dentro da nossa casa?”, perguntou o subprocurador, principal crítico à atual gestão entre os candidatos.

Janot respondeu dizendo que a não apresentação do caso do Judiciário poderia gerar “nulidade” do caso. O procurador-geral defendeu seu trabalho dizendo que a competência da Procuradoria-Geral para investigar políticos “alcança a supervisão de investigação criminal”, ou seja, é preciso que haja uma supervisão do Supremo. “Atos investigatórios sem a supervisão do STF são nulos”, disse. “Prerrogativa de foro trata-se de inquérito judicial e não policial e o próprio Supremo reconhece que a ausência de supervisão dele retrata em nulidade”, completou Janot.

O poder de investigação próprio do Ministério Público e uma maior independência em relação à Polícia Federal também foram bandeiras levantadas por Janot. “Nós temos agora a responsabilidade de criar o modelo para que possamos desenvolver com profissionalismo e objetividade nosso mister. (…) Temos que trabalhar para ter mais independência investigatória no que se refere cooperação da Polícia Federal”, completou o procurador. Nos primeiros dois meses de investigação de políticos supostamente envolvidos na Lava Jato, PGR e PF tiveram desentendimentos que geraram adiamento de depoimentos marcados.

Janot disse que não poderá se ausentar de Brasília para fazer campanha em razão do momento vivido. “Volto à presença de vocês porque pretendo terminar o que comecei. Estou pronto e firme para prosseguir no desafio. (…) Sem fórmulas mágicas e sem vender ilusões peço seu voto para que possamos continuar avançando”, completou o procurador-geral.

Entre os quatro candidatos, Janot e Frederico foram os dois com maior protagonismo no debate. Além deles, concorrem ao cargo os subprocuradores Raquel Dodge, que é vista como uma “opositora moderada” e Mário Bonsaglia, que tem uma posição mais alinhada com a do procurador-geral. Durante o debate foram permitidas apenas perguntas dos procuradores, que poderiam fazê-las pessoalmente ou pela internet. Não foram permitidas perguntas diretas de um candidato para o outro e cada um dos concorrentes respondia a todas as perguntas sorteadas. As perguntas ficaram mais voltadas para questões administrativas, por advirem do público interno.(UOL)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui