Brasil

João de Deus vira réu por crimes sexuais

João de Deus vira réu por abusos sexuais em Abadiânia/Foto: Divulgação
Escrito por Redação II

A denúncia contra João de Deus sobre o crime de abusos sexuais foi aceita hoje (9/1) pela juíza Rosângela Rodrigues dos Santos. O médium passa a ser réu pelo estupro de vulnerável e violação sexual, em Abadiânia. Ele está preso no Núcleo de Custódia, desde 16 de dezembro.

O líder espiritual presta esclarecimentos, neste momento, a Polícia Civil dentro do presídio. De acordo com a nota divulgada pela corporação, ele é ouvido sobre o inquérito que investiga a posse ilegal de armas de fogo encontradas na casa dele. Depois que a delegada Karla Fernandes assumiu a coordenação das investigações, será a primeira vez que o médium será ouvido. O inquérito deve ser concluído ainda hoje e enviado ao Judiciário.

Por meio do programa Conversa com Bial, da TV Globo, dez mulheres revelaram ser vítimas de abuso sexual de João de Deus. Conforme as denunciantes, os abusos ocorriam na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, interior de Goiás, onde o médium realiza os atendimentos espirituais.

João de Deus vira réu por abusos sexuais em Abadiânia/Foto: Divulgação

Os relatos impulsionaram outras mulheres que também se sentiram abusadas, a contarem suas versōes. No dia (13/12), somente o Ministério Pública de Goiás havia recebido 250 denúncias contra o religioso. Os MPs de todos os estados do Brasil receberam os relatos.

Conforme os depoimentos da vítimas, os abusos tinham um padrão. Ele atendia as mulheres em público e depois pedia que elas o encontrassem, sozinhas, em seu escritório, para que ele incorporasse uma entidade e terminasse o procedimento. Os abusos sexuais ocorriam, de acordo com elas, dentro da sala dele.

Algumas dizem ter sido levadas a um banheiro dentro do cômodo. As mulheres relataram ainda que em alguns casos ele oferecia uma ‘jóia’ como espécie de ‘recompensa’. O médium, até o momento, continua negando todas as acusações.

Fonte: Dia Oline

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.