Nhamundá será fiscalizada por suspeita de desvio na vacinação

Foto: Reprodução

Conforme denúncias feitas ao Ministério Público do Amazonas (MPAM), há suposto desvio de vacinas para covid-19 em Nhamundá (a 375 quilômetros de Manaus). Os imunizantes teriam sido utilizados para vacinar pessoas que não fazem parte dos grupos prioritários no município.

O Promotor de Justiça Márcio Pereira está apurando os fatos, tendo em vista de notícias de que a secretária municipal de Saúde priorizou pessoas mais próximas à sua pessoa, em troca de amizade e favores e não fazem parte dos grupos prioritários para vacinação contra covid-19. Essas pessoas receberam os imunizantes na frente de outras pessoas, e os que realmente eram do grupo não receberam a dose nesse primeiro momento, tais como funcionário que fazem remoção de pacientes para outras cidades, profissionais do laboratório, profissionais da urgência e emergência, na lista que foi publicada não puseram os critérios como, nível de prioridade, setor, serviço, idade, nível de contaminação e grupo prioritário e as comorbidades.

Levando em consideração que as doses são insuficientes para atender a todos, a prioridade é vacinar profissionais da saúde da linha de frente do combate ao coronavírus, além de indígenas que vivem em aldeias. Nhamundá recebeu 126 doses para profissionais da linha de gente, seguindo os critérios: idosos, transplantados de órgãos sólidos, trabalhadores com comorbidades ou doenças crônicas e que estejam, necessariamente, mais expostos ao risco de infecção, não devendo haver discriminação entre classes de trabalhadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui