Para Augusto Aras assumir o STF, teria que “desaparecer” um ministro

Para Augusto Aras ir STF, tem que 'desaparecer' um ministro - foto: divulgação

Depois de subir o tom contra ministros do Supremo Tribunal Federal, o presidente Jair Bolsonaro disse, na noite de quinta-feira (28), disse esperar “que ninguém ali desapareça”, mas se desaparecer, o procurador-geral Augusto Aras seria um nome forte para sua indicação caso surgisse a “terceira vaga” no STF.

Acredita-se que Bolsonaro estaria relembrando o desaparecimento do ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, que morreu na queda de um avião em Paraty, no Rio de Janeiro, no dia 19 de janeiro de 2017. Ele era o relator das ações da Operação Lava Jato no STF.

Condecoração

Na manhã desta sexta (29), Bolsonaro condecorou Aras – e também o ministro da Educação, Abraham Weintraub – com a Ordem do Mérito Naval.

“Sobre o Augusto Aras: se aparecer uma terceira vaga, eu espero que ninguém ali desapareça, mas o Augusto Aras entra fortemente na terceira vaga”, disse ele em entrevista à rádio Jovem Pan, também transmitida ao vivo no Facebook do presidente.

“Está tendo uma atuação, no meu entender, excepcional, em especial numa coisa que o pessoal não dá muito valor, nas pautas econômicas. Ele procura cada vez mais defender o livre mercado, defender o governo federal nessas questões que muitas vezes nos amarram”, acrescentou o presidente.

Aras foi indicado por Bolsonaro ao comando da Procuradoria-Geral da República no ano passado, ignorando a lista de 3 procuradores aptos para assumir o posto apresentada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República).

Procurador parceiro

Nesta semana, após operação da Polícia Federal atingir militantes bolsonaristas e apoiadores do presidente, Aras pediu a suspensão do inquérito do STF relacionado ao caso.

O procurador-geral também se manifestou contra o pedido feito por três partidos pela apreensão do telefone celular do presidente Bolsonaro e de seu filho Carlos.

Durante seu mandato, até janeiro de 2023, Bolsonaro deverá indicar dois nomes ao STF quando ocorrer a aposentadoria dos ministros Celso de Mello, em novembro deste ano, e Marco Aurélio Mello, em março de 2021. A próxima vaga seria de Ricardo Lewandowski, apenas em maio de 2023.

Por EVARISTO SA via Getty Images

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui