Pastor assume namoro com outro homem e seguidor diz: “trocou Jesus pelo diabo”

Felipe Heiderich e Bruno de Simone - foto: recorte/divulgação

O pastor Felipe Heiderich, de uma igreja evangélica na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, chegou a ficar preso numa cela comum de Bangu depois que a pastora Bianca Toledo o acusou de pedofilia, juntamente com o então senador bolsonarista Magno Malta.

Felipe era o segundo marido de Bianca e foi denunciado por molestar sexualmente o filho dela. A Justiça o absolveu, mas isso não impediu o massacre.

Felipe agora está sendo alvo de ataque de evangélicos, inclusive a minoria que o apoiou, por ter se assumido gay e revelar, em entrevista, que está namorando o youtuber Bruno de Simone.

Foram tantos ataques que ele tirou as postagens de seu Instagram. Um seguidor disse: “Você trocou Jesus pelo diabo”.

Outra o chamou de mentiroso, pecador e que iria arder no fogo do inferno. Muitos ainda tentaram associar sua orientação sexual à pedofilia. “Agora eu sei: era tudo verdade”, comentou uma evangélica.

Heiderich divulgou hoje um vídeo (veja abaixo) em que fala sobre os ataques.

“É muito ódio”, disse, colocando as mãos sobre o rosto. “Não confundam homossexualidade com pedofilia”, comentou, em outro momento.

Essas manifestações confirmam a intolerância de setores expressivos da comunidade evangélica, base de apoio de Jair Bolsonaro.

Heiderich disse que não usará mais o título de pastor, mas continuará falando “do amor de Jesus”.

Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui