Racha entre prefeito e vice de Novo Airão parece inevitável

A boa relação tida na campanha entre Frederico e Baliza se desgastou e tende a se romper em breve - foto: perfil do prefeito

Por Garcia Neto
O possível racha entre o prefeito Frederico Júnior (MDB) e seu vice-prefeito José Sales Baliza (PPS) é praticamente inevitável. Em conversas mais reservadas, Baliza tem revelado que não concorda com a atual situação político-administrativa de Novo Airão e a teimosia do prefeito em decidir questões mais complexas que vão de encontro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O possível fim da relação amistosa entre os dois já sinaliza com novos desdobramentos políticos, visando as eleições municipais ano que vem.

De acordo com o vice-prefeito, os excessos de irregularidades “podem ser o fim da esperança que o povo depositou em nós dois, para tirar o município do buraco”. A maioria da população considera a gestão de Frederico Júnior catastrófica.

Nos primeiros dias deste mês de junho a administração municipal foi surpreendida com o bloqueio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Como se não bastasse, a secretária municipal da Educação, professora Cynthia Girão, deixou de encaminhar ao SIOP os dados de receitas e investimentos em Educação referentes aos 1º e 2º bimestres do período.

O repasse do Fundeb corre o risco de ser bloqueado

A retenção dos repasses constitucionais para o município pode comprometer o orçamento municipal. Nesse caso, o prefeito pode se valer do contingenciamento de receitas, como forma de aliviar os compromissos de seu governo. Frederico tem ainda uma pendência que está dificultando o acesso a convênios e a contratos.

A prefeitura consta como inadimplente no Sinconfi

Trata-se do não recolhimento do alcance de R$ 1.281.384,36 pelo ex-presidente da Câmara de Vereadores, Rossiclay Lima Santos, atualmente no cargo de Secretário Executivo do prefeito.

Enquanto Rossi não resolver essa e outras pendências, a prefeitura continuará impedida de ter acesso a convênios e a outros tratos de repasses e termos de parceria entre os governos Federal e Estadual, para que os recursos sejam transferidos e utilizados na execução de benefícios para o município. A permanecer esta pendência, a Câmara de Vereadores de Novo Airão continuará bloqueada no CAUC, e esse bloqueio reflete na Prefeitura, porque ambos os poderes têm suas vinculações administrativas.

Demonstrativo do Banco do Brasil

O vereador Berg Branco (PR) exigiu mais rigor do prefeito e da presidente da Câmara na cobrança de responsabilidade de Rossi, para que ele faça imediatamente o recolhimento do alcance, ao mesmo tempo avisou a Frederico para que demita sumariamente o agora seu subordinado, o qual, por lei, está impedido de assumir cargos públicos e de participar de eleições, porque ele foi condenado pelo Pleno do TCE/AM.

Uma das ações que colocou a imagem de Frederico em cheque foi ele ter “invadido” o Legislativo Municipal no dia 20 de maio e, da tribuna, ter agido como se fosse o dono da Casa do Povo.

No calor de sua manifestação, o prefeito usou e abusou de palavras toscas, provocou constrangimentos com tanta grosseria, perdeu o controle e surtou, chegando a colocar o dedo em riste apontando para os vereadores Berg Branco e Rosivaldo Souza dos Santos, o Professor Massarico (Rede).

Vereadores Maçarico e Berg chegaram a ser agredidos verbalmente pelo prefeito Frederico Junior – foto: recorte

Aprovação do mandato

Recente sondagem sobre a aprovação do prefeito revelou que Frederico Júnior está tendo dificuldades para recuperar sua popularidade obtida após a eleição suplementar de 2018. A tática de intensificar a mídia em torno de suas “possíveis realizações” tem sido ineficaz para manter a fachada de “prefeito realizador”.

O vereador Berg Branco vê essa tática como uma estratégia inútil, “apenas faz muito barulho antes de sua derrota final”.

*Garcia Neto é professor e jornalista

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui