Rússia está “perdendo força” na Ucrânia, afirma chefe de espionagem do Reino Unido

Foto: Reprodução

A Rússia está “perdendo força” em seu ataque à Ucrânia, disse o chefe da agência de inteligência externa britânica MI6, Richard Moore, em um breve comentário nas redes sociais neste sábado (30).

Moore fez a observação “perdendo força…” acima de um post anterior no Twitter do Ministério da Defesa da Reino Unido, que descreveu o governo russo como “desesperado” e como tendo perdido milhares de soldados em sua invasão da Ucrânia.

O secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, afirmou na sexta-feira também que os “russos estão falhando em muitas áreas” na Ucrânia.

“Os planos A, B e C de Putin falharam e ele pode procurar o plano D”, disse em entrevista à Sky News.

Wallace, que supervisionou os esforços britânicos para equipar a Ucrânia com armas antitanque, veículos blindados e munições, disse que “todos” acreditam que a invasão é “errada” e “brutal”.

Perda de espionagem

Moore disse a Jim Sciutto, da CNN, no Fórum de Segurança de Aspen, que desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro, os países europeus expulsaram “cerca de 400 oficiais de inteligência russos que operam sob cobertura diplomática” em todo o bloco.

“E achamos que, no Reino Unido, isso provavelmente reduziu pela metade sua capacidade de espionar para a Rússia na Europa”, disse Moore. Ele acrescentou que vários “ilegais”, ou espiões russos operando sob cobertura profunda e disfarçados de civis comuns, também foram expostos e presos nos últimos meses.

De todo modo, “a moral deles ainda está alta”, disse Moore, referindo-se aos ucranianos. “Eles estão começando a receber quantidades crescentes de armamento bom.”

A Rússia, por outro lado, falhou significativamente em seus objetivos iniciais de tomar Kiev e derrubar o governo de lá e está usando amplamente “bucha de canhão” para suas ofensivas no leste da Ucrânia, disse ele.

Livrar o país vizinho

Depois de mais de cinco meses do início da invasão da Rússia na Ucrânia, as autoridades russas sinalizaram nos últimos dias uma intensificação das ações em território ucraniano e falaram pela primeira vez em “livrar” o país vizinho do governo do presidente Volodymyr Zelensky.

A Ucrânia, por outro lado, busca apoio na ajuda militar oferecida por potências ocidentais e insiste na pressão internacional por sanções à Rússia.

Os ucranianos dizem que ter uma vantagem frente os russos: armamento doado, particularmente o sistema de foguetes HIMARs fornecido pelos EUA, está destruindo depósitos cruciais de armazenamento e postos de comando e depósitos de munição nas profundezas do território russo.

Este mês, a Ucrânia diz que destruiu pelo menos dois depósitos de munição em Nova Khakova, na região de Kherson. O país também atingiu três pontes sobre o rio Dnipro e até mesmo um transporte de mísseis russos S-300 – um projétil terra-ar renovado que causou horror em Mykolaiv.

No entanto, os russos ainda controlam grandes áreas a nordeste da cidade e podem reabastecer as forças na margem oeste com pontes flutuantes e balsas fluviais através do Dnipro. E mais hardware russo substituirá o que for perdido.

A CNN obteve imagens de vídeo exclusivas, feitas por guerrilheiros, mostrando mísseis S-300 na estação ferroviária de Dzhankoi, na Crimeia ocupada. Imagens e análises de satélite fornecidas pela Maxar indicam até 50 mísseis S-300 em vagões na estação na quinta-feira (21). Apenas um S-300 poderia destruir um prédio em algum lugar da Ucrânia.

No entanto, apesar da enormidade da máquina de guerra russa, os líderes militares da Ucrânia disseram que os ataques deste mês a lojas russas e rotas de reabastecimento podem mudar a maré no campo de batalha.

Agora, vários soldados da linha de frente apoiaram isso – dizendo à CNN que acreditam que os russos têm visivelmente menos rodadas para disparar contra eles.
“Tivemos cerca de duas a três semanas em que eles não tinham munição suficiente para nos combater com artilharia, foguetes e assim por diante”, diz o tenente Pidlisnyi.

Em outra parte da frente sul, o capitão das Forças Armadas da Ucrânia, Volodymyr Omelyan, disse à CNN que os ataques cirúrgicos atrás das linhas inimigas são parte de uma estratégia de modernização contínua da Ucrânia.

“Acreditamos que os russos se renderão muito mais rápido, especialmente na região de Kherson, quando já atingimos três pontes principais, duas pontes de automóveis e uma ferroviária”, diz Omelyan, que era político antes de ingressar no exército.

Omelyan diz que os ganhos estão sendo feitos “dia a dia” no campo de batalha, mas que a Ucrânia opta por não anunciá-los: “É uma boa política de nossos comandantes falar sobre o que está acontecendo depois que já aconteceu”.

Fonte: CNN Brasil

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui