Universidade Federal do PA inaugura laboratório de peixes do Xingu, em Altamira

Rio Xingu, tem 1,8 km de extenção/Foto: Mariana Oliveira

Rio Xingu, tem 1,8 km de extenção/Foto: Mariana Oliveira
Rio Xingu, tem 1,8 km de extenção/Foto: Mariana Oliveira

Importante para a pesquisa e elaboração de estudos sobre os peixes do rio Xingu e seus afluentes, a Universidade Federal do Pará (UFPA) inaugurou ontem, quinta-feira (26), o Laboratório de Ictiologia da instituição, em Altamira, no sudoeste do estado, o qual abriga cerca de 30 mil peixes.

O novo espaço supre uma demanda dos pesquisadores sobre a fauna aquática da região da Transamazônica, já que o trabalho era realizado dentro de outro laboratório, o de zoologia, que abrigava a grande coleção de espécimes de peixes conservados para estudos.

O coordenador do Laboratório e professor da UFPA na Faculdade de Ciências Biológicas, Leandro Melo de Souza, explica que o Laboratório vai ajudar principalmente nas pesquisas de taxonomia, ou seja, na identificação das espécies da região, muitas ainda desconhecidas. A produção científica servirá também para orientar ações e políticas públicas para o setor pesqueiro e para a pesca artesanal, proporcionando o ordenamento da atividade no Xingu.

“Vai auxiliar a conhecer melhor os peixes do rio Xingu e do rio Tapajós. Mas não só: será possível estudar a fauna dos pequenos rios da região Transamazônica e será um instrumento importante para o Mestrado de Biodiversidade e Conservação Ambiental, recém criado na UFPA”, comenta.

O prédio

O Laboratório de Ictiologia foi construído pela Norte Energia, empresa responsável pela implantação da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Foram investidos R$ 837,7 mil na construção do prédio, que possui 230 m², e abriga salas de estudos, de triagem, de reuniões e de acervo para  coleção, além de escritório de visitantes, dormitório, almoxarifado e copa cozinha. Totalmente equipado com mobiliário e instrumentos técnicos, o novo espaço é também refrigerado e conta com freezers de armazenamento de amostras coletadas para a pesquisa.

O investimento na UFPA integra o Acordo de Cooperação Técnico (ACT) entre Norte Energia e o Ministério da Pesca e Aquicultura firmado para melhorar a infraestrutura e promover o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do pescado. O acordo prevê aplicação de recursos na ordem de R$ 22 milhões para criar condições de trabalho e acesso aos mercados de consumo que os pescadores jamais tiveram.

Dentre os benefícios da parceria está a implantação, em Altamira, do Centro Integrado de Pesca Artesanal (Cipar), com unidade de processamento de pescado, fábrica de gelo e mercado para comercialização. Em três anos, serão beneficiadas as colônias de pescadores de Altamira, Vitória do Xingu, Anapu, Senador José Porfírio, Porto de Moz e Gurupá com ações como construção e reforma das sedes das colônias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui