Vexame na ONU: Bolsonaro admite ter incentivado “tratamento precoce” contra a Covid-19

Bolsonaro desafia ciência e diz que fez "tratamento precoce" inexistente contra a Covid-19 - foto: recorte/montagem

Em discurso na abertura da 76ª Assembleia-Geral da ONU, nesta terça-feira (21), Bolsonaro passou mais um vexame ao assumir, para líderes mundiais, ter feito o “tratamento precoce” sem comprovação científica para Covid-19.

Bolsonaro assumiu que desde o início da pandemia vem apoiando a disseminação do tratamento ineficaz contra a Covid-19, rejeitado em todo o mundo. Segundo o mandatário, é uma forma de “incentivar a autonomia dos médicos na busca pelo tratamento precoce”.

“Apoiamos a vacinação, contudo, nosso governo tem se posicionado contrário ao passaporte sanitário ou a qualquer obrigação relacionada à vacina”, disse ainda.

Bolsonaro disse ainda que o “tratamento precoce” foi uma orientação do Conselho Federal de Medicina no Brasil e que ele mesmo aderiu ao tratamento, que utiliza medicamentos desprezados pela ciência.

Jair Bolsonaro abriu seu discurso atacando a imprensa e o socialismo e mentindo abertamente ao afirmar que o Brasil estaria há “dois anos e meio sem corrupção”. Afirmou que “o Brasil tem um presidente que acredita em Deus, respeita a Constituição” e que isso “é muito” porque “estávamos à beira do socialismo”.

A TV 247 está transmitindo ao vivo a Assembleia da ONU. Inscreva-se no canalseja membro e assista: 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui