Bolsonaro troca vacina chinesa por imunizante desvantajoso dos EUA

Ministro interino da Saúde disse que está sob análise da Casa Civil um documento que prevê parceria do país com a Universidade de Oxford-EUA - foto: Alerta

Ao apresentar o cronograma de vacinação nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde, dirigido pelo general Eduardo Pazuello, ignorou a vacina chinesa, apegou-se ao imunizante da Oxford/Astrazeneza, com a qual assinou um contrato desvantajoso para o país.

A postura do governo gerou atrito com governos estaduais.

O Ministério da Saúde apresentou na tarde desta quarta-feira (14) um cronograma para vacinação contra Covid-19 e abriu uma crise com secretários estaduais.

Para parte dos presentes na reunião, o governo federal está ignorando a vacina chinesa, que tem participação do Instituto Butantan, em fase avançada de testes, informa o Painel da Folha de S.Paulo.

O governador de São Paulo João Doria já anunciou as primeiras doses para o mês de dezembro.

O calendário do ministério conta apenas com a chamada vacina de Oxford, fabricada pela farmacêutica Astrazeneca, que impôs ao Brasil um contrato desvantajoso. No Brasil a vacina da Oxford/Astrazeneca será produzida pela Fiocruz e também está em fase de testes.

O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, reagiu à postura do Ministério da Saúde. “As vacinas não estão sendo tratadas de forma republicana pelo Ministério da Saúde”, disse ao Painel.

“Todos os presentes na reunião entenderam da mesma forma. A vacina de São Paulo está sendo ignorada”, completou.

Outros secretários estaduais tiveram a mesma interpretação sobre a reunião.

Os gestores apontam que não faz sentido o governo apresentar um cronograma sem considerar a vacina chinesa, que será produzida em convênio com o Instituto Butantan de de São Paulo.

Brasil 247

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui