Brasil vence República Dominicana e conquista vaga para Olimpíada de Tóquio

Seleção brasileira ganhou um talismã japonês que simboliza boa sorte e perseverança — Foto: FIVB

Hoje é dia para comemorar. O principal objetivo em uma temporada atípica e extenuante com Liga das Nações, Pan-Americano, Sul-Americano e Copa do Mundo foi cumprido. Mas não será uma festa de arromba, aquela de virar a noite.

Era quase uma obrigação brasileira garantir a vaga em casa, visto que o grupo no Pré-Olímpico com Camarões, Azerbaijão e as dominicanas jogava todo o peso do favoritismo para o lado verde-amarelo. E o Brasil sofreu para virar sobre as azeris, na sexta-feira, e também oscilou em alguns momentos contra as caribenhas hoje e flertou com o perigo no início do tie-break. Contra adversárias de um nível maior, tais falhas poderiam ter sido fatais.

Instabilidade de uma Seleção ainda sem uma base titular definida, a um ano da Olimpíada, por uma infinidade de fatores. Jogadoras voltando de lesões (Tandara é o principal exemplo), outras ainda sem a condição física ideal (Natália), referências de grandes conquistas do passado sendo reincorporadas ao elenco (Fabiana e Sheilla), sem contar uma infinidade de pedidos de dispensa por problemas familiares, de saúde ou simplesmente por opção pessoal.

Com a vitória, o Brasil terminou na liderança do Grupo D — Foto: FIVB

Ter um ano de trabalho com a vaga olímpica garantida permitirá a José Roberto Guimarães montar esse time “ideal” para Tóquio com mais tranquilidade, torcendo para que as atletas se mantenham “saudáveis” fisicamente. E cada competição daqui para frente será um verdadeiro teste para as atletas se garantirem entre as 12 olímpicas. A começar pelo Pan-Americano, em Lima, já na semana que vem.

Neste ano, algumas jogadoras ganharam espaço. Macris foi titular no levantamento após uma temporada brilhante pelo Itambé/Minas, Lorenne cresceu demais na saída de rede após as finais da Liga das Nações, Gabi se transformou em protagonista em muitos momentos, Mara e Bia se firmaram no meio de rede. Estão com crédito.

Atualmente são quase 30 atletas no radar da comissão técnica. O que, numa disputa sadia, pode fazer a Seleção Brasileira mudar de patamar e ficar mais perto de potências como China e Estados Unidos.

No ciclo olímpico mais complicado já enfrentado por Zé Roberto na Seleção feminina, com um rol maior de pretendentes ao pódio olímpico (Itália, Sérvia, Turquia, Rússia), a evolução é necessária.

Fonte: Terra

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui