Entidades entram com ação contra Nelson Piquet e pedem indenização de R$ 10 milhões

Além de chamar Hamilton de "neguinho", Piquet disse que o britânico "devia estar dando mais c*" (Joe Klamar/AFP)

Tricampeão da Fórmula 1, Nelson Piquet tornou-se alvo de uma ação civil pública que pede indenização de R$ 10 milhões pelas falas racistas e homofóbicas do ex-piloto brasileiro sobre Lewis Hamilton, da Mercedes. Na última semana, viralizaram nas redes sociais vídeos de uma entrevista em que Piquet se refere a Hamilton como “neguinho” e que ele “devia estar dando mais c* naquela época”.

O documento foi protocolado no TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios) pela Educafro, o Centro Santo Dias, a Aliança Nacional LGBTI+ e a ABRAFH (Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas).

A ação pede ainda que o ex-piloto publique um pedido público de desculpas e que, caso ele volte a fazer declarações de cunho racista ou homofóbico, tenha que pagar multa de R$ 100 mil a cada ocorrência.

A polêmica entrevista de Piquet foi concedida em novembro do ano passado a um canal do YouTube chamado Motorsports Talks — que tirou o vídeo do ar e, atualmente, não tem nenhum vídeo publicado.

A última fala que ganhou os noticiários se deu quando o ex-piloto foi questionado sobre Keke Rosberg, campeão mundial em 1982 e um de seus grandes rivais. Piquet diz que o rival “era um b…” e o compara com seu filho, Nico. “O Keke? Era um bosta, não tinha valor nenhum. É que nem o filho dele [Nico]. Ganhou um campeonato. O neguinho devia estar dando mais c… naquela época, aí tava meio ruim”, afirmou, às gargalhadas.

Por causa do primeiro trecho vazado, no início da semana, em que usou a palavra “neguinho” ao se referir a Hamilon, a Fórmula 1, FIA e Mercedes expediram comunicados em solidariedade ao inglês. O próprio piloto inglês se manifestou, assim como Sebastian Vettel, outros pilotos e ex-pilotos e organizações. A Fórmula 1 estuda banir Piquet do paddock, enquanto o Clube dos Pilotos Britânicos — dono de Silverstone — suspendeu a inscrição do brasileiro.

Essa não foi a primeira vez que Piquet foi homofóbico. Em 2020, durante entrevista ao canal de YouTube de Júnior Coimbra, o ex-piloto afirmou que Ayrton Senna era gay e se casou com mulheres apenas para enganar a mídia.

R7

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui