Assassino de pastor agiota, é preso “Matei porque não quis pagar dívida”

Foto: Divulgação

MANAUS – A equipe de investigação da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), efetuou na quinta-feira (18), a prisão de Alex Lima Braga, 34, em cumprimento a mandado de prisão temporária pelo homicídio de Reginaldo Ferreira da Silva, que tinha 44 anos. O crime ocorreu no dia 14 de junho deste ano, na rua Goiânia, bairro Planalto, zona centro-oeste da capital.

O delegado Ricardo Cunha, titular da DEHS, destacou que esse é mais um crime solucionado pelas equipes da especializada, dando uma resposta positiva à população.

“Esse crime ocorreu em junho, quando a vítima foi executada com dois disparos de arma de fogo. Desde então, estávamos em diligências em torno do caso e conseguimos identificar Alex como mandante do crime”, disse Cunha.

Conforme o delegado Márcio André Campos, adjunto da DEHS, inicialmente foi apurado que a vítima fazia empréstimo de dinheiro mediante pagamento de juros, e Alex emprestou uma quantia de R$ 40 mil com Reginaldo, no início deste ano.

“Durante depoimento, o infrator alegou que já havia efetuado o pagamento de R$ 20 mil, porém, Reginaldo passou a fazer diversas cobranças em razão da demora do restante do dinheiro. O incômodo dessas cobranças teria motivado o delito”, esclareceu Campos.

Em depoimento, Alex alega que não teve participação no crime, e não conhece os executores do homicídio, que estavam em uma motocicleta Yamaha, modelo Fazer, de cor azul, e fugiram no veículo em seguida.

Márcio André ressaltou que as investigações para identificar e prender os demais envolvidos na ação criminosa seguem em andamento.

Ordem judicial

O mandado de prisão temporária em nome do infrator foi expedida no dia 27 de outubro deste ano, pelo juiz Rafael da Rocha Lima, da Central de Inquéritos Policiais.

Procedimentos

Alex irá responder por homicídio, e será encaminhado à Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui