Lei obriga destinação final adequada de recipientes contendo produtos tóxicos

Os igarapés é quem recebem os resíduos tóxicos/Foto: Tiago Correa

Desde o dia 6 de Julho de 2012, está em vigor a Lei Municipal Nº 1682, que dispõe da destinação final adequada de recipientes contendo sobras de tintas, vernizes e solventes no município de Manaus. De autoria da vereadora Socorro Sampaio, a Lei determina que as empresas que comercializam e industrializam esse tipo de material são obrigadas a aceitarem os recipientes com as sobras desses produtos, para reciclagem ou reaproveitamento dos mesmos, ou que possam descartar adequadamente, tendo como prioridade a preservação do meio ambiente, de acordo com as normas vigentes e dispostas nesta lei.
De acordo com a Lei, fica proibido o descarte como lixo comum os recipientes com sobras dos produtos referidos no texto da lei (tintas, solventes, vernizes), tanto pelos usuários, consumidores, comerciantes, fornecedores ou fabricantes, bem como o seu recolhimento pelo serviço de coleta de lixo domiciliar.

Os comerciantes que se recusarem a receberem os recipientes com as sobras de tintas, vernizes e solventes das marcas que comercializam além das sanções previstas na Lei Federal Nº 9.605/98, terão cassadas suas licenças de funcionamento, a critério da municipalidade.

“Nós como cidadãos temos o dever de zelar pelo meio ambiente em que vivemos, sendo que esses produtos são altamente tóxicos e prejudiciais também para a saúde, portanto o descarte adequado desses produtos é primordial para assegurar a vida na terra e principalmente a garantia de sobrevivência das próximas gerações, pois esses produtos demoram centenas de anos para se decomporem na natureza”, disse Socorro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui