Malabarismos retóricos – Flávio Lauria

Flávio Lauria é Administrador de Empresas e Consultor.

Houve um momento em que parecia que o Brasil finalmente deslanchara. Tinha-se tornado a oitava economia do mundo e podia ambicionar voos ainda maiores. Hoje, quatro posições abaixo, o País procura retomar o fio do desenvolvimento acelerado sem conseguir se desvencilhar de vícios arraigados e erros recorrentes.

Suas elites dirigentes têm tendido a se esconder dos desafios com malabarismos retóricos e tergiversações ideológicas. O que preocupa não é apenas o fato de não terem tido continuidade os expressivos avanços alcançados em períodos recentes de nossa história, mas a propensão à inércia, ou ao movimento errático, que acomete protagonistas e coadjuvantes da vida nacional.

Da escalada da violência à favelização das grandes cidades, passando pela deterioração dos serviços públicos, é visível que se está lentamente saindo do purgatório em direção ao inferno. E o assustador é o passivismo das autoridades. Somos uma sociedade que se mantém muito aquém de suas potencialidades. Poderíamos, em todos os níveis, estar fazendo muito mais coisas e com muito mais eficiência.

A grande maioria das pessoas permanece subaproveitada, limitando-se a fazer o mínimo indispensável e a executar as tarefas com tédio burocrático. Predomina em toda parte a rotina mecânica que aniquila a criatividade e o espírito de superação. Falta à maioria dos agentes a qualificação e o aguilhão que poderiam levá-los a se aprimorar e a melhorar seu desempenho. Já os preparados e empenhados se defrontam com outro tipo de dificuldade: veem-se obrigados a atuar no âmbito de lojas, empresas, repartições – instituições em geral – marcadas pela ineficiência e pelo boicote sistemático às inovações.

Flávio Lauria é Administrador de Empresas e Consultor.

Fica fácil entender a sensação de estagnação que paira no ar quando se percebe que é generalizada a dificuldade em lidar com as limitações individuais e as obstruções institucionais. Não é por acaso que, em comparação com o tamanho de sua economia, nossa sociedade está entre as menos inovadoras.

Atualmente, o grande desafio é remover as causas que conspiram contra a evolução pessoal e profissional do cidadão. Só cabe considerar desenvolvida uma sociedade quando oferece um ambiente que proporciona a seus membros as condições propícias à busca e realização de suas potencialidades. Sem a devida qualificação, as pessoas não sabem do que são capazes e do que poderiam fazer para transpor os obstáculos em que esbarram nos planos individual e coletivo.

É triste constatar que muitas potencialidades deixam de se tornar realidade porque estão ausentes as condições internas e externas que favorecem o seu desabrochar. A sociedade permanecerá pobre enquanto seus membros, da elite ao povão, tiverem desempenho muito inferior ao que poderiam ter. E tudo piora quando a fraca performance vem acompanhada de fracassomania lamurienta. Não bastasse a grande legião de subaproveitados e mal aproveitados, está a sociedade infestada de bandidos e aproveitadores. Daí a urgência de se criar um sistema eficaz de vigilância e punição. Do contrário, se marchará inexoravelmente para a anomia.

Diante do quadro geral de subutilização e desperdício de energias pessoais e coletivas, os políticos precisam parar de propor soluções populistas e demagógicas para os graves problemas nacionais. É errado atribuir exclusivamente à falta de crescimento econômico substantivo o mal-estar que se abate sobre o País. Ao se reduzir o ser humano ao conjunto de suas necessidades materiais, deixa-se de dar a merecida importância ao processo de formação das mentalidades e à capacidade de autotranscedência dos agentes.

Uma sociedade é mais que um sistema econômico, é um projeto de vida em comum que, para ser bom, precisa se basear em determinados valores. É o crescimento econômico que depende da existência de um ambiente favorável ao desabrochamento das potencialidades dos agentes. E não o contrário. Por isso a educação cumpre papel crucial. Só que a pedagogia que libera potencialidades não é a da repetição enfadonha e a da doutrinação ideológica, e sim a que, à maneira de uma maiêutica socrática, vai estimular a criança e o jovem a prospectarem suas potencialidades dentro e fora da realidade em que vivem.

Como sugere a evidência histórica, as sociedades que respeitam as iniciativas individuais, criando condições que as estimulam, são as que alcançam melhor padrão de vida. No Brasil, a realidade fica a cada dia mais dura por estar, na maior parte do tempo, impedindo que as potencialidades de cada um se tornem realidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui