Amazonas Cidades

Oficinas de Parentalidade da DPE-AM contribuiu com 21 acordos em ações de família

Oficinas de Parentalidade, da Defensoria Pública do Estado do Amazonas - Foto: Divulgação
Redação I
Escrito por Redação I

O projeto Oficinas de Parentalidade, da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM), reuniu 245 participantes ao longo de 2018 e contribuiu para a realização de 21 acordos em ações de família. A última edição do projeto neste ano será realizada nesta quinta-feira, 06, na unidade da Rua 24 de Maio, 321, Centro, das 9h às 12h.

Com um formato de bate-papo, as oficinas são ministradas pelos defensores públicos Helom Nunes e Karoline Santos, que passaram por uma capacitação no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). A coordenação do projeto é da defensora pública Heloísa Canto. O objetivo é orientar as famílias que passam pela separação do casal, principalmente no que se refere a evitar conflitos para amenizar os desgastes sofridos pelos filhos.

A dona de casa Rebeca Martins da Silva, 28, afirma que a Oficina da Parentalidade fez com que ela refletisse sobre como vinha agindo diante do ex-companheiro, pai do seu filho mais velho, de 12 anos, e com o próprio menino. Rebeca e o ex-companheiro estavam em conflito por conta da pensão alimentícia, que era definida de forma verbal apenas, e ela decidiu procurar a Defensoria.

Oficinas de Parentalidade, da Defensoria Pública do Estado do Amazonas – Foto: Divulgação

“Na oficina, foi exibido um vídeo mostrando como a relação entre os pessoas que se separam pode afetar os filhos de um jeito ruim e que a gente deve evitar entrar em atrito. Isso me ajudou a refletir sobre como eu estava agindo, porque eu vivia me estressando com o meu ex, às vezes, na frente do meu filho. Foi para eu começar a tentar resolver tudo na calma, com diálogo”, conta Rebeca, que conseguiu entrar em acordo com o pai de seu filho mais velho sobre o pagamento da pensão.

Segundo Rebeca, outro ponto importante da oficina, para ela, foi poder aprender sobre alienação parental, quando o pai ou a mãe influencia negativamente a criança a respeito do outro. “Esse assunto foi bem tratado”, disse.

Agora, com acordo formalizado na Justiça, a dona de casa conta que a pensão é paga regularmente e sem mais atritos com o ex-companheiro.

O defensor público Helom Nunes afirma que casos como o de Rebeca, em que as questões de família podem ser resolvidas com diálogo, mostram que Oficina de Parentalidade tem conseguido alcançar seu objetivo. “Neste ano, mudamos a forma de convidar os assistidos para as oficinas e temos tido uma maior frequência e participação mais ativa do projeto”, disse.

Sobre as oficinas

As Oficinas de Parentalidade tiveram início em 2017 e, neste ano, a DPE-AM passou a convidar os participantes de forma direta e individual, via telefone, entre os assistidos estão sendo atendidos na área de família com ações de divórcio, pensão alimentícia e guarda de crianças e adolescentes, entre outros.

Mas os interessados que quiserem garantir participação podem ligar para o telefone da 1ª Defensoria Pública de Família – (92) 3233-1007, de segunda à sexta-feira, das 8h às 14h, ou apenas se dirigir ao local.

Não é obrigatório que os dois membros do casal participem. Caso um dos dois não tenha interesse, o outro pode participar sem impedimentos.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.