PDT vai às ruas com pedido de expulsão do deputado Adjunto Afonso

O PDT vai às ruas dizer que o voto de Adjunto Afonso não é do partido - foto: divulgação

A executiva e a militância do PDT no Amazonas estão nas ruas para avisar que o voto do deputado Adjunto Afonso, no caso do congelamento dos salários das categorias de trabalhadores da saúde, educação, segurança não representa o partido.

Nas primeiras horas da manhã, membros do partido estiveram em frente ao Sambódromo, na Avenida Pedro Teixeira, em ato público juntamente com professores, policiais civis e populares para pedir a revogação da Lei de congelamento dos salários até 2021, aprovado na Assembléia Legislativa do Amazonas (Aleam), por maioria dos votos dos deputados no ultimo dia 12 de junho.

A votação foi acompanhada por representantes de entidades de servidores públicos em frente ao prédio da Aleam, na zona centro-sul de Manaus. Nessa votação, o deputado Adjunto Afonso teve a infelicidade de votar a favor da proposta de congelamento, sem antes ter consultado a direção do seu partido.

Resultado

Adjunto Afonso está sendo exigido a dar explicações ao conselho de ética e, com fortes possibilidades de ser expulso do PDT por infidelidade às propostas trabalhistas fundamentadas nas ideias do antropólogo Darcy Ribeiro, um escritor e político brasileiro, conhecido por seu foco em relação aos indígenas e à educação no país.

Para a secretária do Núcleo de Base do PDT no Amazonas, Larissa Cortez, vários setores do partido estão reagindo contra a decisão do deputado e estão ‘pedindo a cabeça’ do parlamentar, que nos últimos meses vem se distanciando do partido com suas decisões individuais e distanciadas das lutas empreendidas pela militância.

Nesse sentido, acrescenta Larissa, alguns núcleos estão entrando com pedido de explicação na comissão de ética. “Vamos notificar o deputado, para se explicar”, disse. Portanto, ter votado sem consulta à direção da legenda, foi um tropeço de Adjunto Afonso, que pode lhe render punição no Conselho de Ética.

“Até agora não tivemos o posicionamento dele. O partido não teve a oportunidade de sentar com ele para saber alguma coisa sobre ter votado sem comunicar a direção do PDT”, complementou.

Núcleo Sindical

Ontem (19) o diretor do núcleo sindical do PDT no Amazonas, Afrânio Barão, já havia se posicionado a favor de levar o deputado Adjunto Afonso ao conselho de ética imediatamente. Afrânio defende a expulsão do parlamentar, que segundo ele, nunca ‘rezou’ na cartilha do partido desde a sua filiação.

Faixas sendo espalhadas pela capital amazonense – foto: divulgação

Enquanto isso, a militância está nas ruas para expor o posicionamento do partido perante a sociedade e, mostrar que o ‘voto do deputado’ é uma decisão isolada, que não representa nem as comissões, nem aos núcleos e muito menos a executiva estadual do PDT, que sempre tem se posicionado na defesa dos trabalhadores de todas as categorias no Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui