Presidente perde a paciência até com apoiadores de porta de palácio

Bolsonaro perde a paciência na crise do coronavírus e dá respostas ríspidas a apoiadores – foto: arquivo/divulgação

As respostas ríspidas, antes reservadas apenas aos jornalistas, agora são dadas também a pessoas que integram a claque que costuma ir à portaria do Palácio da Alvorada para chamar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de mito, rezar por ele e também fazer pedidos.

Nesta quarta-feira (22), um senhor começou a falar pedindo que Bolsonaro desse atenção aos lotéricos do país. Bolsonaro logo interviu.

“O senhor não está acompanhando os lotéricos, então. Com todo respeito. Nós convidamos vocês, demos uma cesta de vantagens sem vocês pedirem nada. O pessoal, 98% ficou satisfeito. Fecharam as lotéricas. Fiz um decreto, abri, 3.000 loterias fechadas. Então, não sei mais o que o senhor quer”, disse o presidente.

Logo depois, foi chamado por um outro homem que pediu que o presidente gravasse vídeo de apoio a uma “maratona verde” de plantio de árvores em Londrina (PR). Outra resposta ríspida. “Quando eu convido, estou presente. Não tem como”, afirmou Bolsonaro, ao justificar a negativa ao apoiador.

Na segunda-feira (20), ao tentar minimizar as críticas que vinha recebendo pela participação em um ato pró-golpe militar, Bolsonaro deu um pito em um apoiador que pedia o fechamento do STF (Supremo Tribunal Federal).

“Esquece esta conversa de fechar. Aqui não tem fechar nada, dá licença aí. Aqui é democracia. Aqui é respeito à Constituição brasileira. E aqui é a minha casa e a tua casa, então peço que, por favor, não se fale isso aqui”, afirmou Bolsonaro.

Na quarta-feira passada (15), Bolsonaro ouviu cobranças de apoiadores aglomerados e não escondeu seu incômodo. “Pessoal, se eu parar aqui para ouvir cada um com um problema, não paro mais”, disse.

Na manhã de 6 de abril, o presidente também perdeu a paciência com um homem que falava contra a prova da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). “Chefe, o que o senhor quer, eu concordo, mas passa pelo Parlamento. O Parlamento negou várias vezes o que o senhor quer. Dá para entender que não é uma canetada minha?”, disse o presidente, diante da insistência do apoiador.

Em algumas ocasiões, Bolsonaro também pediu rapidez a religiosos que anunciam que vão fazer alguma oração por ele.

Em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, depois de passarem pelo check point em que os veículos são revistados e antes de cruzarem o detector de metais e o equipamento de raio-X, os visitantes são orientados a deixar em armários todos os seus objetos, com exceção de telefones celulares.

Cartas, sugestões de projetos de lei e bandeiras, por exemplo, não podem mais entrar na área reservada aos fãs de Bolsonaro.

As pedras do canteiro que antes serviam de escada para quem queria visualizar melhor o presidente. Agora, a área onde está a mangueira plantada na portaria principal do palácio no fim da década de 1950, está isolada por faixas. Quem tenta burlar a nova regra é repreendido pela segurança.

Os que ficam encostados na grade que os separa de Bolsonaro testam o humor do presidente a cada dia. Durante alguns dias, o presidente também foi cobrado pela liberação do auxílio emergencial de R$ 600.

O humor de Bolsonaro com os militantes começou a mudar com o agravamento da crise do novo coronavírus e chegou ao ápice durante o processo de fritura e demissão do então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Nos últimos dias, o presidente tem se mantido na defensiva por causa das críticas à sua participação no ato a favor de um novo AI-5, o mais radical ato institucional da ditadura militar (1964-1985), que abriu caminho para o recrudescimento da repressão.

Além disso, Bolsonaro deu início a uma operação que pode deixá-lo numa saia-justa com sua militância. O presidente tem recebido dirigentes de partidos do centrão no Palácio do Planalto para que seu governo negocie cargos em troca de apoio.

Na manhã desta quarta-feira, os jornalistas tentaram questioná-lo sobre o assunto, mas, ele ignorou as perguntas. “Eu não vou falar com a imprensa, porque eu não preciso falar. Então, vocês não distorcem mais. O que eu li hoje, inventam tudo. Então, podem continuar inventando”, disse Bolsonaro, antes mesmo de ser indagado pelos jornalistas.

FOLHAPRESS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui