Trabalhadores da AMBEV em Manaus estão em estado de greve

Trabalhadores da AMBEV, em greve/Foto: Clarice Gulyas

Trabalhadores da AMBEV, em greve/Foto: Clarice Gulyas
Trabalhadores da AMBEV, em greve/Foto: Clarice Gulyas
Trabalhadores da AMBEV, em greve/Foto: Clarice Gulyas
Trabalhadores da AMBEV, em greve/Foto: Clarice Gulyas

Contando, pela primeira vez, com a participação da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins), os Trabalhadores da Ambev participaram hoje, quarta-feira (07), de assembleia do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Bebidas em Geral de Manaus (Stibam).

Na ocasião, operadores de máquinas e auxiliares de produção decidiram entrar em estado de greve e aprovaram nova pauta de reivindicação que, a partir de agora, inclui itens nacionais, como a fixação do piso salarial no valor de R$ 1.500 para a admissão de trabalhadores. Um ofício endereçado à empresa será protocolado nesta quinta, com aviso de deflagração de greve. Caso a empresa não se pronuncie até terça (13/5), trabalhadores da Ambev irão cruzar os braços por tempo indeterminado.

Diante do embate com o sindicato, funcionários denunciaram que a empresa chegou a adiantar o horário de trabalho e a pagar táxi e mototáxi para os empregados como tentativa de boicote à assembleia. Gestores da unidade também filmaram o movimento como forma de intimidação aos trabalhadores, que responderam com a aprovação de uma nova pauta de reivindicação para o acordo coletivo de 2014. Entre as principais reivindicações dos cerca de 1 mil trabalhadores da companhia estão: reajuste salarial com aumento real de 10% sobre os salários já reajustados em maio de 2014, remuneração de horas extras com adicional de 100% (segunda a sábado) e de 120% (domingos e feriados), adicional noturno de 50% em relação à hora normal, implantação do programa de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), adicional de insalubridade e periculosidade.

De acordo com o presidente do Stibam, Vicente de Castro, essa é a terceira proposta que será discutida entre empresa e trabalhadores. A dificuldade de consenso não tem justificativa. “Eu achei esse movimento gratificante e válido. Tenho certeza de que os trabalhadores irão aderir à greve. O apoio da CNTA Afins é muito importante, assim como o das centrais (NCST e Intersindical) presentes. Se não fosse esse tipo de apoio, esse movimento não teria acontecido.”, afirma Vicente.

Para o presidente da CNTA Afins, Artur Bueno de Camargo, a dificuldade local reflete um problema enfrentado por aproximadamente 32 mil trabalhadores da Ambev em todo o Brasil. Desde março, a entidade busca a abertura de negociação em nível nacional com a principal patrocinadora da Copa do Mundo, a qual resiste até o momento.

“Já que nossa presença foi solicitada, a CNTA está aqui para apoiar a decisão dos trabalhadores e do sindicato. Esse tipo de dificuldade já era prevista. Uma vez que a Ambev não negocia em nível nacional, as reivindicações dos trabalhadores não são atendidas e, por isso, acabam ficando revoltados.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui