Animais extintos foram recuperados graças à ciência

Foto: Reprodução

O que os lobos-vermelhos da Carolina do Norte, o castor euroasiático e o cavalo-de-przewalski têm em comum? Todos eles foram extintos na natureza – e todos eles voltaram, graças à Ciência e aos programas de reintrodução.

Os cientistas conservacionistas usaram a translocação e a reprodução em cativeiro para restabelecer as populações de animais que morreram na natureza – seja inteiramente ou em certas áreas. Reintroduzir animais extintos em seus territórios nativos pode ser uma vitória dupla: ajudar a restaurar ecossistemas degradados, bem como aumentar o número dessa população.

Foto: Reprodução

Mas soltar uma espécie na selva é um ato de equilíbrio precário. As reintroduções geralmente levam anos e envolvem várias fases, explica Natasha Robinson, ecologista da Universidade Nacional da Austrália, que se especializou em animais selvagens ameaçados de extinção.

Antes de trazer de volta uma espécie, os conservacionistas devem avaliar o nível de ameaça para o animal e o que ele pode causar – além do papel desempenhado pela espécie no ecossistema, diz Robinson. Ela explica que há uma melhor chance de sucesso em lugares onde as populações selvagens morreram mais recentemente.

“Quanto menos tempo se passa, é mais provável que o ambiente seja o mesmo de quando a espécie foi extinta”, diz ela. “Mas você ainda precisa resolver o motivo pelo qual [o animal] foi extinto naquele ambiente para começar”.

Foto: Reprodução

Animais reintroduzidos podem ter um impacto positivo na paisagem, mas a rapidez com que isso acontece depende do tipo de animal e de quão danificado está o meio ambiente. Segundo Robinson, os herbívoros podem fazer uma mudança significativa de forma relativamente rápida.

Por exemplo, os bandicoots, um pequeno marsupial parecido com musaranho, escavam e redistribuem “cargas de combustível” inflamáveis como folhas secas, e isso pode reduzir o risco de incêndios florestais, bem como aumentar a renovação do solo e melhorar o crescimento das mudas.

Foto: Reprodução

Predadores tendem a ser reintroduzidos lenta e cuidadosamente. Embora possam ser úteis para o manejo de espécies de pragas, os conservacionistas devem garantir que eles não cacem em excesso ou ameacem outros animais vulneráveis, diz Robinson.

Um estudo de 2020 destacou a reintrodução de espécies como uma das maneiras mais eficazes de salvar animais em extinção. Sem esses projetos, espécies como o cavalo-de-przewalski e a ave Guam rail certamente estariam extintas na natureza. O estudo estima que as ações de conservação entre 1993 e 2020 salvaram até 48 espécies de pássaros e mamíferos e que, sem esses esforços, a taxa de extinção teria sido três a quatro vezes maior no mesmo período.

Fonte: CNN Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui