Australiana de 11 anos luta na justiça por troca de sexo

Menina Isabelle, luta na justiça para trocar de sexo/Foto: Reprodução

Menina Isabelle, luta na justiça para trocar de sexo/Foto: Reprodução
Menina Isabelle, luta na justiça para trocar de sexo/Foto: Reprodução

Isabelle Langley é uma das crianças mais corajosas da Austrália. Aos onze anos de idade, ela encarou a família e os amigos, e enfrenta a sociedade para garantir o direito de ser reconhecida como menina. Com uma maturidade surpreendente, Isabelle explica tranquilamente que nasceu no corpo errado. “Eu falei pra minha mãe que não queria ser um garoto, porque me sentia como menina. Estou cansada de viver neste corpo”, declara.

A revelação aconteceu há 15 meses, quando Isabelle recém tinha completado 10 anos. “Ela me disse: ‘não gosto do meu corpo; não é certo eu estar nesse corpo’. Falei que era normal se sentir estranho, porque o corpo está crescendo, mas Isabelle foi enfática: ‘não, eu sinto que sou uma menina e estou no corpo errado”, recorda a mãe Naomi McNamara.

Isabelle nasceu “Campbell” em 6 de junho de 2003. Desde cedo, o garoto já demonstrava não se adaptar ao universo infantil masculino: brincava de bonecas e usava vestidos cor de rosa e roupinhas de fadas com asas. “Nunca gostei das coisas de garoto. Minha vida inteira preferi brinquedos de meninas. Tentei lutar contra isso por um tempo; tentei parar, mas não consegui”, revela. O pai lembra bem dos tempos em que tinha um filho homem. “Adoro esportes, mas nunca consegui colocar Campbell nos esportes. Ele também nunca gostou de carrinhos. Chegava em casa e ia direto para caudas de sereias e vestidos de cinderela”, relata Andrew Langley.

Os pais contam que a revelação do filho provocou um incompreensão inicial. “É uma montanha russa emocional. Meus primeiros pensamentos foram para Campbell, como ele ia lidar com isso e as barreiras sociais que iria enfrentar”, diz Andrew. A mãe acrescenta: “achamos que ele era gay e já me imaginei segurando a bandeira do arco-íris. Seria ótimo! Mas quando realmente entendi do que se tratava, pensei: ‘por que ele não poderia simplesmente ser gay?’ Seria mais fácil, pensamos na época. Obviamente, são duas coisas completamente diferentes”.

São duas coisas completamente diferentes porque Isabelle é uma criança transgênero. Na Austrália, assumir a homossexualidade é uma decisão estritamente pessoal, independente da idade, mas crianças e adolescentes transgênero precisam de sentença judicial para garantir o tratamento, que é fundamental para evitar o desenvolvimento de um corpo com o qual não se identificam. No caso de Isabelle, a medicação inclui hormônios para bloquear a mudança no tom da voz e o crescimento de pelos.

Os casos são mais comuns do que se pode imaginar. Em 2003, o Royal Children´s Hospital recebia uma criança transgênero por ano. Este ano, o número chegou a 100. “Esse fenômeno acontece em todo mundo ocidental, não porque há mais crianças nessa situação, mas porque elas estão buscando tratamento”, revela a pediatra responsável pelo tratamento de Isabelle, Michelle Telfer.

Segundo a médica, o diagnóstico é complicado antes da puberdade porque o gênero pode ser “fluido”. Conforme Michelle Telfer, as evidências mostram que, de todas as crianças que apresentam comportamento em desacordo com o sexo, apenas 25% vão se identificar como transgênero na adolescência. “Isabelle não está neste estágio, mas se ela ainda se identificar como mulher após a puberdade, saberemos que não é uma fase. São 99,5% de chances de que a identidade feminina vai persistir na vida adulta”, informa a pediatra.

Por enquanto, a menina australiana está recebendo a primeira fase da medicação, que tem efeitos reversíveis. “Eu não sabia que havia tratamento pra minha condição. Procurei na internet e achei muitos sites explicando o que a gente pode fazer quando se sente como menina. Dizia que tem uma cirurgia especial, que quero fazer quando completar 18 anos. Quando for maior, posso fazer a operação de mudança de sexo, que vira o pênis de fora para dentro, transformando-o em uma vagina. Assim, eu vou poder usar mais roupas de meninas”, antecipa com sua simplicidade infantil.(Terra)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui