Calor extremo cozinhou mexilhões e mariscos vivos no Canadá

Foto: Reprodução

A onda de calor devastadora que atingiu a Colúmbia Britânica na semana passada está sendo responsabilizada pela morte de uma enorme quantidade de mexilhões, mariscos e outros animais marinhos que vivem nas praias do oeste do Canadá.

Christopher Harley, um professor do departamento de zoologia da Universidade de British Columbia, encontrou incontáveis mexilhões mortos abertos e apodrecendo em suas conchas no domingo na praia de Kitsalano, que fica a poucos quarteirões de sua casa em Vancouver.

Harley estuda os efeitos da mudança climática na ecologia das costas rochosas onde vivem mariscos, mexilhões e estrelas do mar, então decidiu observar como os invertebrados intertidais estavam se saindo na onda de calor recorde que atingiu a área de 26 a 28 de junho.

“Pude sentir o cheiro daquela praia antes de chegar, porque já havia muitos animais mortos do dia anterior, que não foi o mais quente dos três [dias]”, disse. “Comecei a dar uma olhada apenas na minha praia local e pensei: ‘Oh, isso, isso não pode ser bom.'”

Foto: Reprodução

No dia seguinte, Harley e um de seus alunos foram para Lighthouse Park, em West Vancouver, que ele visita há mais de 12 anos.

“Foi uma catástrofe lá”, disse ele. “Há uma cama de mexilhões extensa que cobre a costa e a maioria desses animais tinha morrido.”

Calor sem precedentes

Os mexilhões se prendem a rochas e outras superfícies e costumam ser expostos ao ar e à luz solar durante a maré baixa, disse Harley, mas geralmente não conseguem sobreviver a temperaturas acima de 37°C por muito tempo.

As temperaturas no centro de Vancouver eram de 37°C no dia 26 de junho, 37,5°C no dia 27 e 38,6°C no dia 28.

Estava ainda mais quente na praia.

Harley e seu aluno usaram uma câmera de imagem térmica FLIR que encontrou temperaturas de superfície superiores a 51 graus Celsius.

Nesta época do ano, a maré baixa coincide com a parte mais quente do dia na área, de modo que os animais não conseguem sobreviver até que a maré volte, disse ele.

Cientistas do clima classificaram a onda de calor na Colúmbia Britânica e no noroeste do Pacífico nos Estados Unidos como “sem precedentes” e alertaram que as mudanças climáticas tornariam esses eventos mais frequentes e intensos.

“Vimos recordes de calor no fim de semana apenas para serem quebrados novamente no dia seguinte”, disse à CNN Kristina Dahl, cientista climática sênior da Union of Concerned Scientists, “particularmente para uma parte do país onde esse tipo de calor não acontecem com muita frequência.”

Uma análise de mais de duas dúzias de cientistas da World Weather Attribution descobriu que a onda de calor “teria sido impossível sem a influência da mudança climática causada pelo homem”.

Também era incrivelmente perigoso.

Lytton, cidade na Colúmbia Britânica, quebrou o recorde de dia mais quente de todos os tempos do Canadá em 30 de junho, quando a temperatura atingiu 49°C graus. A cidade foi quase destruída em um incêndio mortal.

Houve 719 mortes relatadas aos legistas da província entre 25 de junho e 1º de julho – três vezes mais do que normalmente ocorreria durante esse período, de acordo com um comunicado de Lisa Lapointe, legista-chefe da Colúmbia Britânica. Centenas de pessoas morreram nos Estados Unidos e muitas tiveram que ser hospitalizadas por causa do calor.

Fonte: CNN

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui