Embraer fecha acordos para suspensão temporária de contratos e redução salarial

Foto: Reprodução

A Embraer informou nesta sexta-feira (10) que a maior parte dos trabalhadores no país aceitaram as propostas de layoff (suspensão temporária dos contratos) e redução de salário. As medidas, adotadas diante da crise econômica provocada pelo novo coronavírus (Covid-19), valem a partir de segunda (13).

Segundo a fabricante de aviões, que tem cerca de 16 mil funcionários, os termos propostos foram aceitos pelo Sindicato dos Engenheiros de SP, Sindiaeroespacial e Sindicato dos Metalúrgicos de Botucatu – que juntos representam trabalhadores de São Paulo, Campinas, Sorocaba, Gavião Peixoto, Taubaté e São José.

No entanto, ainda não há uma definição para os funcionários da base do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos – a entidade representa cerca de 35% dos empregados da Embraer no país.
De acordo com a fabricante de aeronaves brasileira, a empresa e o sindicato negociam a proposta para que a categoria possa votar a proposta.

A Embraer prevê redução de jornada e salário por três meses para quem trabalhar remotamente. Esses profissionais terão direito ao auxílio do governo federal de até R$ 453 e garantia do emprego por período proporcional ao acordo.

Quem entrar na suspensão temporária do contrato de trabalho (layoff) por dois meses terá a garantia de estabilidade por período correspondente a essa condição. A redução no salário será de 25%. Já quem seguir com trabalho na fábrica não terá alteração na jornada ou salário.

Diante da pandemia de coronavírus, a Embraer adotou medidas para afastamento da maioria dos trabalhadores desde o fim de março. A empresa manteve operações essenciais, mas havia adotado férias coletivas para maior parte dos empregados ou trabalho remoto.

Negociação em São José

Embraer e Sindicato dos Metalúrgicos de São José negociam a proposta, mas ainda não chegaram a um acordo.

“Tem itens que a gente não concorda com a proposta da empresa. A maior parte dos trabalhadores é representada por nós, então vamos para mais uma reunião na próxima semana”, disse o líder sindical da Embraer, Herbert Claros.

Enquanto uma proposta da Embraer não é levada para votação, a orientação dada pela empresa a funcionários representados pela entidade é que os que podem trabalhar em home office devem seguir nessa condição a partir de segunda e quem tem atividade que não permite o trabalho remoto continuará em férias coletivas até novas orientações.

Para os demais funcionários que aceitaram o acordo, as medidas são válidas a partir de segunda-feira e terão duração entre 60 e 90 dias, e garantia de emprego pelo período correspondente ao tempo em que estiverem em redução de jornada e salário ou suspensão do contrato.
Para os trabalhadores em exercício de atividades essenciais e trabalho presencial, não haverá alterações na jornada ou salários.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui