Empresas que faturam até R$ 3 Milhões/dia querem reduzir salários dos Rodoviários

Presidente-Interino do Sindicato dos Rodoviários, Josenildo Mossoró - foto: divulgação

O Sindicato dos Rodoviários está levantando uma questão muito séria em torno do faturamento das empresas dos transportes públicos em Manaus, durante o período de pandemia na saúde pública, provocada pelo Covid-19.

De acordo com o presidente em exercício da categoria, Josenildo Mossoró, os empresários aproveitaram a desculpa do coronavírus para ficarem ‘ainda mais milionários’ e, quando os trabalhadores esperavam compensação pelos riscos de contaminação corridos durante as jornadas diárias de trabalho, receberam deles a notícia de que teriam seus salários reduzidos.

Mossoró é contra a redução injustificável dos salários dos trabalhadores e, se os empresários dos transportes urbanos continuarem a insistir com a redução salarial, ele vai entrar com pedido de investigação de faturamento das empresas no Ministério Público do Trabalho e na Justiça Federal.

“Os donos de ônibus tiveram 50% do suposto faturamento diário, coberto pelo governo durante os meses de isolamento social mais severo. Daí, não tem como justificar a queda dos seus ganhos nesse período”, acentua Mossoró.

Mossoró deixou claro na última reunião com eles, os empresários do setor, que, “não aceita discutir redução dos salários e ponto final”. Ele garantiu que está lutando na Justiça do Trabalho por aumento e que vai levar essa luta até o fim. Não disse qual seria a reação do Sindicato se houver uma negativa.

300 ônibus novos

Ainda nessa semana, circulou um vídeo divulgado nas redes sociais, em que a empresa Marcopolo do Rio de Janeiro estaria com 300 ônibus prontos para serem enviados a Manaus nos próximos dias.

“Como é que eles têm dinheiro sobrando para renovar a frota, sucateada, por ônibus novos e não tem dinheiro para melhorar os salários da categoria”, pergunta o presidente em exercício dos Rodoviários.

Mossoró disse que a folha de pagamento dos trabalhadores do sistema gira em torno de R$ 12 milhões a R$ 15 milhões por mês, mas de acordo com levantamento superficial do Sindicato, as empresas também faturam algo em torno de R$ 2 milhões a R$ 3 milhões por dia. “Não tem como justificar a redução dos salários”, finaliza.

Sinetram

Talvez por ser domingo, não conseguimos contato com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram). Deixando aberto aqui, o espaço para confirmar ou rebater as informações do Sindicato dos Trabalhadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui