Ex-presidente boliviana Jeanine Áñez é presa escondida dentro de cama box

Ex-presidente boliviana Jeanine Áñez é encontrada dentro de cama box no momento da prisão. — Foto: ABI

A ex-presidente da Bolívia Jeanine Áñez, que foi presa na madrugada deste sábado (13), estava escondida dentro de uma cama box, segundo autoridades responsáveis pela detenção. Ela foi detida pelas acusações de conspiração, sedição e terrorismo durante os dias que se seguiram à renúncia de Evo Morales, em novembro de 2019.

De acordo com a Agencia Boliviana de Información, Áñez “estava escondida em uma cama box para burlar a intensa operação policial realizada nas investigações pelo ‘Caso Golpe de Estado'”.

 Segundo movimentos sociais bolivianos, a ex-presidente tentou fugir para o Brasil em novembro de 2020, mas foi impedida.

“A ordem de apreensão estabeleceu risco de fuga (…) e estabelece que há facilidade para [Áñez] abandonar o país, o que é um risco processual”, publicou a ABI. De acordo com a Radio Kawsachun, as autoridades chegaram a temer que ela tivesse conseguido executar a fuga para o Brasil desta vez, mas uma revista mais minuciosa encontrou a ex-presidente tentando se esconder.

A prisão A televisão boliviana mostrou Áñez chegando ao aeroporto de El Alto, que serve La Paz, no momento em que ela disse que sua prisão era “ilegal”. Junto a ela, que não estava algemada, estavam o ministro do Governo (Interior) Carlos Eduardo del Castillo e vários policiais.

“Informo ao povo boliviano que a senhora Jeanine Áñez já foi apreendida e neste momento está nas mãos da polícia”, anunciou antes Del Castillo em suas contas do Twitter e Facebook, parabenizando as forças de ordem pelo seu “grande trabalho (…) nesta grande e histórica tarefa de fazer justiça ao povo boliviano.”

Momento da prisão da ex-presidente boliviana Jeanine Áñez. — Foto: Ricardo Carvallo Terán/ABI

A ex-presidente declarou nas redes sociais que se trata de “um ato de abuso e perseguição política”.

O governo “me acusa de ter participado de um golpe de Estado que nunca aconteceu”, disse Áñez em sua conta do Twitter.

Até o momento, não se sabe onde ela foi presa. No dia anterior, havia um grupo de policiais em frente à sua casa na cidade amazônica de Trinidad, capital do departamento de Beni, localizada 600 km ao nordeste de La Paz.

UOL

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui