Faltam só 26cm para transbordar a barragem da Hidrelétrica de Balbina

Faltam menos de 30cm para a represa do lago de Balbina transbordar - foto: divulgação

“Só Deus sabe o que pode acontecer se a barragem do Lago de Balbina ultrapassar a cota máxima de 51/metros”, se preocupam moradores da região próximo à Usina Hidrelétrica de Balbina (UHE-Balbina), no Rio Uatumã, sob a concessão de operacionalidade a Centrais Elétricas do Norte do Brasil (Eletronorte), dentro do município de Presidente Figueiredo, no Amazonas.

Ontem o portal Correio da Amazônia teve acesso a documentos e vídeo, onde equipes da Eletronorte, Defesa Civil do município e de Manaus, Corpo de Bombeiros e representantes da prefeitura de Presidente Figueiredo estiveram reunidos para decidir se abririam e de que forma abririam as comportas para dar vazão programada às águas da Usina.

As águas já está chegando às propriedades – foto: divulgação

Liminar

O problema é que uma decisão dos setores técnicos, esbarra em outra decisão liminar, impetrada pela prefeitura de Presidente Figueiredo, assinada pelo juiz Roger Luiz Paz de Almeida, que teve como fim a suspensão da vazão programada das águas da Usina, que se não for revertida atempo, poderá ter consequências graves, inclusive, com o rompimento da barragem e fortes danos ambientais. Os prejuízos serão incalculáveis para toda a região.

Associação de Moradores

O presidente da Associação dos Moradores da Vila Residencial de Balbina (AMVIB), Jorge Figueiredo, se antecipa é pede para que a população abaixo da barragem, que fiquem em estado de prontidão e que se preparem para possível elevação do nível das águas do Rio Uatumã.

Ramal da Morena já sofre com a vazão de água – foto: divulgação

De acordo com informações do Grupo de Whatsapp do Ramal da Morena, o lago amanheceu hoje, com 50,74/metros”, faltando, portanto, 26cm para atingir a cota máxima de 51m e, ficar exposto a todos os riscos possíveis e inimagináveis.

De acordo com técnicos, é provável que em menos de uma semana, o lago chegue no seu limite crítico, principalmente, se continuar as fortes e constantes chuvas registradas nos últimos dias.

A rádio web Balbina transmitiu hoje, no seu jornal da manhã, que a população quer resposta das autoridades municipais para a matéria publicada ontem no Correio da Amazônia e se existe ou não risco real para ela.

Tem outra questão embutida na abertura das comportas

Estudos de técnicos da Usina Hidrelétrica, apontam que o Rio Uatumã vai subir em torno de 60cm se derem vazão à água retida nas comportas até hoje (09). Se as comportas forem abertas na segunda feira (11), o Rio sobe em torno de 90cm e vão causar alagações sem precedentes em propriedades, comunidades e ramais.

Falta informação oficial.

O Correio da Amazônia vem buscando informação no setor público, mas não obteve resposta. Entretanto, no grupo do Ramal do Morena, copiou um documento do Cartório Judicial da Comarca de Presidente Figueiredo, publicado em 06 de abril de 2022, onde consta a decisão do Juiz Roger Luiz Paz de Almeida e a preocupação da Defesa Civil em relação à subidas das águas e necessidade de abertura das comportas. Veja documento abaixo:

Prefeitura tenta minimizar

Em uma publicação no Portal Balbina News (Facebook), hoje (09), bancado pela Prefeitura, o representante municipal do Distrito de Balbina, Paulo Roney, soltou uma nota tentando minimizar o que consequentemente será um desastre ecológico, material e populacional se caso a barragem romper por falta de previsão das autoridades municipais de Presidente Figueiredo.

A nota, de forma oficial, diz que o alerta é Fake News, mesmo tendo sido avisados pelas Defesa Civil do município e de Manaus além de outros setores técnicos, inclusive da concessionária Eletronorte. A impressão que dá, é que a prefeitura municipal está tentando esconder alguma informação, para não causar pânico nos moradores das redondezas da represa. Tipo: Brumadinho, Mariana em Minas Gerais, onde a Vale do Rio Doce, mesmo sabendo dos riscos, preferiu aguardar pelo pior.

Esta Nota foi excluída em seguida do post.

Alerta da AMVIB

O presidente da Associação dos Moradores da Vila Residencial de Balbina (AMVIB), Jorge Figueiredo, que também é funcionário da Eletronorte, fez uma justificativa dos últimos acontecimentos na UHE-BALBINA. Segundo ele, estando prevista fortes precipitações de chuvas para a região do Rio Uatumã, em recente reunião a gerência da UHE Balbina apontou para os órgãos como Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Prefeitura Municipal de Presidente Figueiredo e também aos comunitários moradores das Associações Comunitárias abaixo da barragem que ficassem de prontidão para a elevação do nível das águas.

Jorge informou que o alerta é necessário para preservar a estrutura física da barragem a abertura gradual das comportas do vertedouro. Essa manobra técnica no vertedouro possibilitaria aliviar o sobrepeso na estrutura da barragem, hoje já com de 50.74m de altura.

É indispensável a continuidade da abertura gradual das comportas de emergência, evitando sobrepeso na barragem e colocando em risco a segurança da sua estrutura eliminando o risco de danos ao patrimônio nacional e segurança física dos moradores e suas propriedades das comunidades abaixo da barragem.

Áudio

Amauri: experiência de quem trabalhou mais de 30 anos na Hidrelétrica de Balbina e está ao par da situação grave que se encontra a barragem:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui