Fazendeiros rejeitam oferta de R$ 80 milhões feita pela União por terras (MS)

Cidade de Campo Grande (MS).

Cidade de Campo Grande (MS).

Os produtores rurais mais uma vez não aceitaram a proposta feita pelo Governo, durante reunião no gabinete do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, em Brasília, na tarde desta sexta-feira (13). A União aumentou o valor ofertado, que antes era de R$ 78 milhões pelos 15 mil hectares da Terra Buriti, para R$ 80 milhões, mas os fazendeiros “bateram o pé” e pediram R$ 124 milhões.
O valor que os fazendeiros pedem surgiu após uma análise técnica realizada pelo economista e perito judicial Fernando Abrahão, nas áreas pertencentes à Buriti. Segundo ele, no início, os produtores ficaram relutantes com o valor de R$ 124 milhões apresentado por ele, mas em seguida aceitaram o resultado da análise das terras.
“A reunião de hoje fluiu até uma determinada hora e parou. Os produtores jamais aceitariam essa proposta aviltante feita pelo Governo Federal. O acordo ficou mais longe de acontecer do que se esperava. Infelizmente ficou muito distante entrar em um consenso com a União e com os indígenas”, explicou Fernando Abrahão.
O proprietário da Fazenda Buriti, Ricardo Bacha, que participou da reunião, disse que a União quer descaracterizar as terras como produtivas e comprá-las a “preço de banana”. “Se a área a ser comprada é exatamente para os índios produzirem, como podem eles tratarem elas como improdutivas e ofertar R$ 5 mil por cada hectare. Eles estão nos embrumando. Queremos deixar claro para os índios que os produtores querem fazer o acordo, mas o Governo Federal está dificultando. Não podemos aceitar esse preço de babana, é muito indecente essa proposta”, desabafou Bacha.
De acordo com Bacha, o Governo Federal prometeu procurar os fazendeiros na semana que vem para marcar uma reunião a fim de discutir uma nova proposta. Mas, ele não está animado com o anúncio. “Nem acredito mais em nada, sem sei se eles irão mesmo nos procurar”, comentou.
A reunião desta sexta-feira aconteceu das 15h até as 18h, quando os fazendeiros abandonaram a mesa de negociações. Participarão representantes do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Funai (Fundação Nacional do Índio), fazendeiros e seus advogados.
No dia 30 de maio do ano passado, a fazenda Buriti foi o cenário da reintegração de posse que resultou na morte do índio terena Oziel Gabriel. A situação foi o estopim para que o Governo Federal atuasse como mediador do conflito fundiário. Os terenas vivem em uma área de dois mil hectares.
(Campo Grande News)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui