Gorillaz faz show em SP com gritos contra Trump e Temer

Damon Albarn toca com a banda virtual Gorillaz em São Paulo -Foto: Celso Tavares/G1

Teve música nova, setlist alongado, chuva de leve, palco lotado com banda e convidados, Damon Albarn na galera, “f*ck Trump” e até “fora Temer” na estreia do Gorillaz no Brasil.

Para uma banda “de mentira”, o grupo baseado em personagens animados levou um batalhão impressionante de músicos de verdade. Sob o comando de Albarn, eles fizeram um grande espetáculo musical no palco, junto do show visual no telão, nesta sexta-feira (30) em SP.

• FOTOS: Gorillaz faz show pela 1º vez em São Paulo

O espaço para 13 mil pessoas montado no Jockey Club estava cheio – segundo a organização, todos os ingressos foram vendidos. Choveu forte de dia e fraco no começo do show. Sorte que a plateia ficava na área cimentada do Jockey, famoso por shows enlameados. Mesmo assim, ainda tinha lama nos caminhos de saída, bares e banheiros.

Este foi o único show da atual turnê do Gorillaz no Brasil. O início foi às 21h, com cerca de uma hora e cinquenta de show. Foi o encerramento da passagem deles pela América Latina, com faixas que não rolaram nos dois shows anteriores: “Demon Days”, “Punk” e “Don’t get lost in heaven”.

O capricho visual no telão já era esperado, tratando-se do “quarteto virtual” dos personagens 2D, Murdoc, Noodle e Russell. O que surpreende é o investimento no palco de verdade, com 13 músicos fixos (incluindo ótimo sexteto de vocais de apoio) e mais oito cantores convidados.

O show mostra bem a diferença entre a trajetória de Albarn, também vocalista do Blur, e seu antigo rival no britpop que tocou há cinco dias em SP. Enquanto Liam Gallagher, ex-Oasis, segue preso ao som de duas décadas atrás, Damon é inquieto ao abraçar rap, eletrônica, world music e o mundo de referências do Gorillaz, já com 20 anos de carreira.

Damon Albarn toca com a banda virtual Gorillaz em São Paulo -Foto: Celso Tavares/G1

Que o diga a lista de convidados desta sexta. Eles geralmente apareciam nas músicas do disco mais recente, “Humanz” (2017), mas também cantaram outras:

• O De La Soul, trio veterano de hip hop dos EUA, participou em “Superfast Jellyfish” e “Feel good inc”. Nesta, rolou um discurso de Damon sobre a situação política de mer*a na Inglaterra, seguido por xingamento de “fu*k Trump” do De La Soul (condizente com o teor político-apocalíptico de “Humanz”) e um “fora Temer” da plateia brasileira. Conclusão: não tá fácil pra ninguém.
• O cantor de r&b e house Peven Everett apareceu em “Strobelight” e “Stylo”.
• A rapper inglesa Little Simz cantou em “Garage palace” (ela brilhou no grime em velocidade máxima).
• A cantora inglesa Pauline Black, da banda inglesa de ska dos anos 70 The Selecter, participou em “Charger”.
• O rapper Bootie Brown, do grupo de hip hop alternativo The Pharcyde, veio em “Stylo” e “Dirty Harry”.
• O cantor de house dos EUA Jamie Principle cantou em “Hollywood”, música nova do Gorillaz.

“Hollywood” deve fazer parte de um disco novo do grupo. Damon e Jamie Hewlett, idealizadores do Gorillaz, deram dicas de que este álbum deve ser lançado em 2018, mas não confirmaram. A música apareceu só nos últimos shows na América Latina.

A novidade é um funk turbinado, super dançante, em contraste com aquele vocal chapado de Albarn. Lembra o primeiro disco e é mais animada e menos estranha o último álbum.

Damon Albarn é hiperativo no palco e cativa o público sem lances óbvios tipo mão pro alto e palminha. Vai cantar lá embaixo na plateia em “19-2000” e volta no bis. Ele completou 50 anos no sábado passado, mas está parecendo mais novo que Liam Gallagher, 45. Não é só questão de aparência – nem dele nem das figuras no telão. É a música de Albarn e seus mil amigos que soa mais viva.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui