Governador do AM transfere comando da Segurança Pública à presidência do TRE

Governador Melo anuncia, em coletiva, sua decisão que é inédita/Foto: Divulgação

Governador Melo anuncia, em coletiva, sua decisão que é inédita/Foto: Divulgação
Governador Melo anuncia, em coletiva, sua decisão que é inédita/Foto: Divulgação

Para dar total transparência à atuação das polícias no dia da votação do segundo turno das Eleições, no próximo domingo (26), o governador do AM, José Melo transferiu à presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), desembargadora Socorro Guedes, o comando do Sistema de Segurança Pública do Estado, das 06h00 às 18h00. Entre os órgãos que compõem o Sistema de Segurança estão as Polícias Civil, Militar, Corpo de Bombeiros e Corregedoria-Geral, que estarão sob o comando do TRE-AM.

“Estou abrindo mão da minha prerrogativa de comandante e chefe das Polícias. Toda a Segurança Pública do Amazonas estará a serviço do TRE no dia 26. Não quero que nesse pleito paire qualquer dúvida sobre o resultado da eleição”, declarou o governador José Melo durante coletiva de imprensa ao lado do secretário de Segurança, Paulo Roberto Vital, do comandante da Polícia Militar, coronel Marcos César, e do delegado-geral da Polícia Civil, Josué Rocha. Também estava presente na entrevista coletiva a corregedora-geral do Sistema de Segurança, delegada Aparecida Gualberto.

De acordo com o governador, esta decisão foi tomada para que não houvesse nenhum questionamento sobre a atuação das Forças de Segurança estaduais durante a votação no próximo domingo. Ele informou que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o presidente do pleito no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Tófolli, entraram em contato por telefone para saber sobre a atuação das polícias. “Disse ao ministro que dava a ele todas as garantias e agora eu estou aqui para dizer de público a toda a cúpula da Polícia Militar e Polícia Civil que eu estou determinando que nossa polícia se envolva de forma ética e propositiva nesta eleição. Nenhum policial deve se envolver em algo que não seja o cumprimento do dever”, afirmou Melo.

O governador disse, ainda, que os ministros ficaram preocupados porque receberam informações não oficiais de que a polícia amazonense estaria se envolvendo no pleito fora das suas atribuições constitucionais. Os ministros foram informados pelo governador que o trabalho do Sistema de Segurança do Estado no primeiro turno das eleições foi inclusive elogiado pela presidente do pleito no Amazonas, uma vez que o desempenho dos policiais civis e militares foi exemplar e dentro das suas competências de atuação. Melo afirmou que os ministros demonstraram estar satisfeitos com as garantias empenhadas por ele, mas mesmo assim ele decidiu passar o comando da Segurança Pública do Estado à presidente do TRE-AM.

Operação Integrada – Durante a votação, no próximo domingo, cerca de 3,8 mil policiais civis e militares estarão envolvidos diretamente com a Segurança Pública na capital e no interior do Estado, segundo informou o secretário de Segurança, Paulo Roberto Vital. Ele disse que o esquema de segurança funcionará da mesma maneira que ocorreu no primeiro turno, quando nenhuma ocorrência grave foi registrada. A corregedora-geral informou também que não foi registrada nenhuma ocorrência com denúncia contra agentes de Segurança.

O Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) permanecerá à disposição do TER-AM e cada juiz eleitoral responsável por zonas eleitorais terão apoio de um oficial superior da Polícia Militar para garantir a plena atuação da Justiça Eleitoral em todo o Amazonas.

O delegado-geral, Josué Rocha, informou que a Polícia Civil, que empregará cerca de 1 mil policiais na operação na capital e no interior, também atuará em apoio ao trabalho dos juízes eleitorais dentro de suas jurisdições. “Garantiremos a segurança dos magistrados caso eles queiram realizar diligências dentro das zonas que são responsáveis”, declarou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui