Governadores discutem programa de cooperação mútua entre AM e RR

Governadores José Melo(AM) e Sueli Campos(RR), reunidos em Manaus/Foto: Herick Pereira

Governadores José Melo(AM) e Sueli Campos(RR), reunidos em Manaus/Foto: Herick Pereira

Com o objetivo de aprofundar as relações comerciais, trocar experiências na gestão administrativa e desenvolver, em conjunto, alternativas logísticas que ampliem as exportações e facilitem as importações, medida que beneficia diretamente o Polo Industrial de Manaus (PIM), o governador José Melo recebeu ontem (29), em Manaus, a governadora de Roraima, Suely Campos, para discutir os primeiros pontos da proposta de parceria, abrindo, assim, as conversas um amplo programa de cooperação mútua.
O encontro, seguido de almoço, foi realizado na sede do Governo do Amazonas, e contou com a presença da equipe econômica dos dois governos, e do ex-governador de Roraima, Neudo Campos, que é esposo da atual governadora. Do governo amazonense, participaram o chefe da Casa Civil, Raul Zaidan, e os secretários de Fazenda, Afonso Lobo, e de Planejamento, Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Thomaz Nogueira. A pauta envolve a troca de experiências na piscicultura. No futuro acordo, há expectativa em compartilhar com Roraima a expertise adquirida com a implantação do modelo de Nota Fiscal Eletrônica e dos sistemas de folha de pagamento e compras governamentais.

Um dos pontos mais ousados da conversa entre José Melo e Suely Campos é a construção de alternativas logísticas para alavancar o comércio exterior dos dois estados. A proposta é montar uma estrutura para exportação em portos de países vizinhos, como Venezuela e Guiana. O modelo que vai ser analisado é semelhante ao adotado pelo Brasil no Porto de Paranaguá, no Estado do Paraná. O maior porto graneleiro da América Latina é usado também para escoar produtos do Paraguai, através de um acordo bilateral entre os países.

Exportação – Ao criar uma base portuária unindo Amazonas e Roraima no exterior, os governos esperam melhorar as condições de exportação para a Ásia e Europa. No caso do Amazonas, o maior beneficiário seria o setor industrial, que ano passado alcançou a marca de US$ 943,4 milhões com exportações.

A Venezuela, uma das possíveis bases portuárias, é o segundo maior destino das exportações do PIM, ficando atrás apenas da Argentina. Ano passado, foram US$ 191 milhões, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Para Roraima, o setor de grãos e a produção agrícola serão os principais favorecidos com o projeto.

No programa de cooperação, Amazonas e Roraima visam também melhorar as relações comerciais. Ligados pela BR 174, os Estados mantém comércio intenso de frutas e arroz, mas acreditam que podem intensificar e diversificar a pauta de produtos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui