HPS da Zona Norte reduz em 30% casos de morte por Sepse

Foto: Valdo Leão

Um protocolo específico para o atendimento de pacientes com sintomas da sepse – uma bactéria que causa mais mortes que o câncer ou o infarto agudo do miocárdio -, foi criado pelo Hospital e Pronto-Socorro (HPS) da Zona Norte, localizado na Avenida Torquato Tapajós, e já conseguiu reduzir em 30% o número de mortes em função da doença em Manaus. A informação foi dada pela médica infectologista de Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do HPS da Zona Norte, Mayla Borba. A unidade hospitalar está realizando uma campanha de conscientização sobre os sintomas da Sepse junto à população de Manaus.

A sepse é mais conhecida como infecção generalizada e ocorre quando o corpo responde a uma infecção e essa resposta acaba atacando seus próprios órgãos, com isso, eles deixam de funcionar adequadamente. A infecção pode estar em apenas um órgão, como por exemplo, o pulmão, mas provoca em todo o organismo, uma reação que compromete o funcionamento de vários órgãos caso não tratada adequadamente.

Foto: Valdo Leão

“Criamos um protocolo institucional desde março de 2016 e, hoje, quando um paciente chega na Unidade de Saúde apresentando mais do que dois critérios de sepse que são: febre maior que 38.3 graus, frequência cardíaca maior do que 100, Pressão Arterial (PA) Sistólica menor que 100, leucocitose menor que 12 mil e frequência respiratória maior que 20, além da suspeita de um quadro infeccioso, caso esse paciente apresente dois desses sinais, ele já é classificado como roxo. Nós criamos uma cor específica para diferenciar esse paciente”, relatou a infectologista, Mayla Borba do HPS da Zona Norte.

O protocolo de sepse criado pelo HPS da Zona Norte foi implantado desde março de 2016. Até agora, 147 atendimentos foram realizados seguindo esse protocolo. Desse total, 131 foram confirmados como sepse. Dos pacientes com sepse, 50% tiveram alta melhorada e 34% foram transferidos para outras unidades de saúde para cuidados intensivos.

A infectologista Mayla Borba reforça ainda que o “os minutos são de ouro” e quanto mais rápido o paciente for atendido, maiores são as chances de evitar mortes em função de sepse. “Esse paciente terá 15 minutos de tempo máximo para ser atendido e, ao ser atendido pelo médico, são coletados todos os exames e feita a primeira dose de antibiótico. Todo esse procedimento, inclusive o resultado dos exames, têm que acontecer em um prazo de uma hora porque a gente sabe que hoje, o tempo na sepse é vida e cada atraso na hora do início do antibiótico aumenta em 7% a mortalidade desse paciente. Então, o tempo é crucial. É aquilo que a gente chama de ‘hora de ouro’ por conta da urgência no atendimento”, explicou Mayla Borba.

Foto: Valdo Leão

Campanha de combate à sepse

De acordo com o Instituto Latino Americano de Sepse (Ilas), cerca de 400 mil casos de sepse são registrados por ano no Brasil e 240 mil pessoas morrem em função da bactéria. E, para conscientizar a população em Manaus, profissionais do Hospital e Pronto-Socorro (HPS) da Zona Norte participaram na manhã desta quarta-feira (13), de uma campanha no Aeroporto Eduardo Gomes.

Uma revista em quadrinhos foi distribuída para os passageiros com uma história que retrata a importância do rápido diagnóstico da sepse. A ação ocorreu nos salões de embarque e desembarque do aeroporto durante o período da manhã. Muitos passageiros ficaram surpresos porque ainda não conheciam a doença.

“Para mim é novidade porque eu não tinha conhecimento dessa doença, mas eu estou achando muito positiva essa divulgação porque muitas pessoas, assim como eu, que não conhecia a doença, já recebe isso como um alerta. E esse quadrinho está muito bem explicado porque a pessoa vai lendo e se interessa. Mas, confesso que estou um pouco assustada com os sintomas que atingem todos os órgãos”, disse a professora Edinete da Silva Ferreira, 33 anos, que chegava de uma viagem da cidade de São Paulo.

A promotora de eventos Dariane Conegundes, 30 anos, que também desembarcava no aeroporto, contou que a abordagem foi positiva. “Gostei da abordagem porque foi bem esclarecedora sobre um assunto tão grave e que eu ainda não conhecia”, revelou.

Foto: Valdo Leão

Segundo a infectologista Mayla Borba, a conscientização da população é o principal objetivo da campanha. “Pelo grande número de óbitos, precisamos conscientizar a população sobre os principais sintomas, assim como incentivar a procurar o serviço de saúde o quanto antes”, salientou a médica.

Quadrinhos

Febre alta, aceleração do coração, respiração rápida, fraqueza importante, pressão baixa, diminuição da quantidade de urina e sonolência ou confusão mental.  Esses são os sintomas da sepse e são os sinais que apresenta um senhor chamado João, personagem da história em quadrinhos. Na história, o personagem João, ao chegar à unidade de saúde e relatar os sintomas, tem um protocolo de atendimento aberto. Esse protocolo define prazos para coleta de material para exame e administração de antibiótico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui