Ministros do STF estão ‘convictos dos crimes’ de Moro e procuradores da Lava Jato

Moro e Dallagnol são "transgressores da lei", disse Gilmar Mendes - foto: montagem/247

“O Ministério Público Federal todo foi respingado por essa atuação da Lava Jato”, afirmou a procuradora aposentada Deborah Duprat, ao comentar na TV 247 as revelações dos diálogos entre Sergio Moro e os procuradores de Curitiba.

Análise de técnicos do STF sobre os diálogos aponta pelo menos cinco ilegalidades cometidas pelo ex-juiz Sérgio Moro e os procuradores liderados por Deltan Dallagnol. Entre elas estão a antecipação de decisão, interferência na produção de provas e falhas na ação contra Lula.

Dentro do Supremo Tribunal Federal (STF), é cada vez maior a convicção de ministros sobre as ilegalidades cometidas pelo ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava Jato, liderados por Deltan Dallagnol.

Ilegalidade da Lava Jato

A jornalista Daniela Lima, da CNN Brasil, afirmou pelo Twitter que os gabinetes dos ministros estão analisando as trocas de mensagens entre Moro e os procuradores que compõem o acervo da operação Spoofing, e já identificaram pelo menos cinco ilegalidades cometidas pela Lava Jato.

Segundo Lima, a análise de técnicos do STF sobre as mensagens aponta indício de antecipação de decisão e combinação de jogo processual; compartilhamento contínuo de informações sigilosas; interferência na produção de provas; falhas na cooperação com autoridades estrangeiras e falhas nas ações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Transgressores da Lei

Na quinta-feira, o ministro Gilmar Mendes, do STF, disse em entrevista à CNN Brasil que a Lava Jato não tinha agentes públicos atuando dentro de suas competências, mas “transgressores da lei”.

“Quem é o chefe/coordenador da Lava Jato segundo esses vazamentos, esses diálogos? É o [Sergio] Moro, que eles [procuradores] chamavam de russo”, criticou.

Brasil 247

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui