Produtores rurais terão feira da ADS implantada no Shopping UAI

Foto: Tácio Melo/Secom

Em encontro do vice-governador e secretário-chefe da Casa Civil, Carlos Almeida, com comunidades no ramal Brasileirinho, neste domingo (26), foi anunciado que produtores dos ramais Brasileirinho e do Puraquequara, zona rural de Manaus, terão prioridade na décima feira que a Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), do Governo do Amazonas, implantará em Manaus, no Shopping UAI São José, zona leste da cidade.


Essa é a segunda comunidade rural visitada pelo vice-governador, de uma série de visitas que ele fará ao longo do mandato. “É um resgate, um retorno que estou fazendo. Conheço essas famílias, que são milhares, há muitos anos, como defensor público em causas sobre direitos básicos. Estar no Executivo é parte dessa missão, de defender os que mais precisam. E no governo Wilson Lima isso é prioridade, podemos realizar”, destacou Carlos Almeida.

Além do espaço para os produtores venderem diretamente ao consumidor, o vice-governador anunciou o trabalho que a Secretaria das Cidades e Territórios (Sect) está realizando para regularizar a terra para quem de fato é agricultor familiar. E, ainda nesse semestre, ramais e vicinais serão melhorados para garantir trafegabilidade nesse período de mais chuvas, com o Programa SOS Ramais, da Secretaria de Produção Rural (Sepror), explicou o secretário Petrucio Magalhães Júnior.

Foto: Tácio Melo/Secom

O presidente comunitário da localidade Uberê, Roni Silva, destacou que ter o governo indo às comunidades rurais é algo inédito e que manter a trafegabilidade dos ramais, com apoio na produção e comercialização, vai proporcionar o avanço da agricultura na região.

Apoio na comercialização – O presidente da ADS, Flávio Antony Filho, afirmou que a área em que a feira será implantada no centro comercial é coberta e atenderá aproximadamente 70 produtores rurais. “Será um local seguro, organizado, nos padrões das feiras que temos implantado em Manaus e no interior do estado”. Segundo Antony, o valor a ser cobrado dos produtores é simbólico, entre R$ 5 e R$ 15, conforme a área a ser explorada.

Flávio Antony Filho também divulgou outros programas do governo que apoiam a agricultura familiar, como o da merenda escolar e o Balcão de Agronegócios, que intermedeia a produção no comércio local. Em 2019, o Balcão de Agronegócios movimentou 2.171 toneladas de produtos, o equivalente a R$ 4,9 milhões aos produtores. Como destacou o secretário da Sepror, Petrucio Magalhães Júnior, é prioridade do Estado investir no cinturão verde do entorno de Manaus.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui