Profissão de cobrador foi ‘totalmente extinta’ em 33 cidades do Brasil

Outros 32 municípios eliminaram parcialmente a função - foto: Gauchazh

O posto de cobrador foi totalmente extinto em 33 cidades brasileiras. O dado foi divulgado pela NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos).

Os dados podem ainda estar subestimados porque nem todos os sistemas responderam à entidade.

O levantamento mostra ainda que em 05 municípios o pagamento de tarifa em dinheiro também foi eliminado. Nestes casos, os passageiros têm que utilizar cartão ou bilhete para pagar a passagem.

Isso ocorre nos ônibus municipais de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul; em Joinville, Santa Catarina; Maringá, no Paraná; São José dos Pinhais, também no Paraná; e em Sorocaba, no interior de São Paulo.

No caso de Sorocaba, o posto de cobrador foi extinto na década de 1990. Na cidade, além do pagamento por meio de cartão, é possível passar pela catraca pagando a passagem por meio de bilhetes com QR Code (Quick Response Code: Código de Resposta Rápida na sigla em inglês) por meio de um smartphone.

Em Campo Grande, o posto de cobrador foi extinto em 2012, enquanto em Joinville, os profissionais não atuam no sistema desde 2001. Por sua vez, em Maringá o posto não existe desde 2005.

Extinção parcial do posto de cobrador

Além disso, 32 municípios eliminaram parcialmente o posto de cobrador, tanto em ônibus municipais quanto intermunicipais. Nesta lista, estão inclusas capitais como Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Porto Alegre e Vitória.

Nesta semana, a retirada de cobradores do sistema de transporte foi o motivo para uma paralisação na Grande Vitória, no Espírito Santo. A greve teve início na segunda-feira, 12 de agosto de 2019, e foi encerrada na terça, após acordo entre as partes.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/08/13/rodoviarios-aceitam-acordo-e-greve-chega-ao-fim-na-grande-vitoria/

Capital Paulista

Na capital paulista, o futuro dos cobradores ainda é incerto. Na última quinta-feira, 08 de agosto de 2019, foi realizada a segunda reunião da comissão que discute a atuação dos profissionais no sistema de transporte.

Capital Amazonense

Em Manaus, depois de uma intervenção feita pelo prefeito Arthur Neto (PSDB) no sistema de transportes urbanos, os empresários resolveram dar uma trégua na proposta de extinção da profissão dos cobradores do serviço de transportes da capital amazonense.

A medida, no entanto, depende da vigilância do sindicato da categoria e da defesa de vereadores na Câmara Municipal. Os trabalhadores estão em suspense.

Diário do Transporte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui