Só em Manaus existem 327 políticos inelegíveis citados na lista do TCU

Lista de inelegíveis do TCU deixa centenas de políticos do Amazonas de fora das eleições – foto: arquivo/divulgação

Com a proximidade das eleições municipais, a lista de inelegíveis do Tribunal de Contas da União (TCU) tem tirado o tapete debaixo dos pés de muitos dos pré-candidatos a prefeito e vereadores dos 62 municípios do Amazonas.

Só em Coari, existem hoje 26 conhecidos políticos inelegíveis. Mas o campeão, imbatível, e o município de Manaus com nada menos que 327 políticos fora das eleições por dívida com a justiça.

Em outros municípios de menor colégio eleitoral, também é assustador o número de pré-candidatos com o nome na lista dos ‘fichas sujas’. Alguns deles pretendem permanecer no cargo ou voltar a concorrer a prefeitura, mas estão impedidos, inclusive os que estão em busca do primeiro mandato.

Um dos maiores colégios eleitorais do Amazonas, o município de Itacoatiara possui políticos que constam na lista do TCU. Mamoud Amed Filho e o atual prefeito, Antônio Peixoto, apresentam irregularidades que o colocaram no elenco.

Peixoto, por exemplo, já chegou a ser afastado do cargo após denúncias e irregularidades. Ele foi reconduzido ao cargo.

Em Coari (a 368 quilômetros de Manaus), Arnaldo Mitouso também tenta voltar para a Prefeitura, mesmo seu nome constando na lista do TCU. Faz companhia para ele outro ex-prefeito da cidade, Adail Pinheiro.

O TCU aponta, ainda, como inelegível Angelus Figueira. Ele é um dos mais cotados para assumir a cadeira de prefeito de Manacapuru (a 70 quilômetros de Manaus).

O prefeito de Lábrea (a 701 quilômetros de Manaus), Gean Barros, está na lista do TCU como inelegível. Saul Bemerguy, prefeito de Tabatinga (a 1.106 quilômetros de Manaus), é considerando inelegível pelo TCU.

De Autazes (a 112 quilômetros de Manaus) aparecem na lista do TCU Wanderlon Sampaio e José Tomé Filho. Sidônio Gonçalves, que busca ser eleito em Tefé (a 521 quilômetros de Manaus), foi classificado como inelegível pelo tribunal. Ivon Rates de Envira (a 1.122 quilômetros de Manaus) está presente como inelegível na lista do TCU.

Nada Consta

Rio Preto da Eva é um dos casos onde o prefeito Anderson Sousa já recebeu, do próprio TCU, a certidão de nada consta e ele pode seguir com a sua candidatura à reeleição normalmente. Ou seja, está elegível no próximo pleito. O Correio da Amazônia foi o primeiro a divulgar a decisão do Tribunal de Contas da União

Apenas a Justiça Eleitoral pode declarar a inelegibilidade de alguém. Mesmo assim, é preciso que haja uma ação de impugnação de candidatura proposta pelo Ministério Público ou por partidos, coligações e candidatos.

Cabe ao TCU é julgar as contas de administradores públicos quanto à exatidão dos demonstrativos contábeis, à legalidade, à legitimidade e à economicidade dos atos de gestão praticados por esses agentes.

Veja no link abaixo a lista do TCU completa, com os nomes dos ‘Fichas Sujas’ do Amazonas 

tcu – inelegíveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui