Corecon-AM alerta para os cuidados durante as compras na Black Friday

Foto: Reprodução

No Brasil, a Black Friday completa 10 anos com uma perspectiva inédita: este ano será a primeira vez em que o número de compradores em lojas físicas deve se igualar ao on-line, de acordo com tendência mapeada por pesquisa realizada pelo Google em parceria com a consultoria Provokers.

A pesquisa aponta que a intenção de compra exclusivamente pela internet durante a Black Friday caiu de 52% em 2018 para 38% em 2019, enquanto a parcela de compradores que pretende aproveitar os descontos somente em lojas físicas passou de 41% para 37%.

A data é a única ação comercial que cresce mais de dois dígitos anualmente, segundo dados do EBIT, indicador de reputação de lojas virtuais, e costuma ser impulsionada pela primeira parcela do 13º salário. Este ano, esse o impulso extra contará ainda com a liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Diante desse cenário, economistas recomendam não agir por impulso na hora da compra ou fazê-las sob aspectos emocionais, uma vez que o ideal é que haja um planejamento para não comprometer rendas extras que podem ajudar com gastos de início de ano com compras que não agreguem valor às reais necessidades do consumidor.

Ele lembra ainda que os gastos com Natal, com ceia e presentes para família, além dos custos de início de ano como matrícula, material escolar, IPVA, IPTU, entre outros, podem ser minimizados com planejamento e aí entra a compra somente dentro do que está previsto na folga do orçamento.

Foto: Reprodução

“Tem que colocar tudo no papel: a renda, quais são os gastos fixos, para poder identificar quanto de brecha para compras seu salário permite. Importante ressaltar que cheque especial e cartão são para emergência e compra de longo prazo, não pode ser usado como um complemento do salário”, disse Mourão Jr. Ele indica ainda a utilização de aplicativos para ajudar no controle financeiro diário.

Confira as dicas listadas pelos economistas do Corecon-AM para auxiliar os consumidores a fazerem as compras da melhor forma nesta época:

1 – Pesquisar bem e com antecedência

Apesar da pesquisa ser o primeiro princípio para quem quer comprar algo fora dos gastos usuais, durante a Black Friday o cuidado deve ser redobrado. Os preços podem variar bastante entre as lojas físicas e e-commerces. Além disso, a prática evita que você acabe caindo no conto do “metade do dobro”, quando as empresas aumentam o preço do produto antes para, no dia da promoção, anunciar como desconto o valor do preço normal.

2 – Fique atento às formas de pagamento

Para os consumidores que pretendem pagar à vista, boa parte das lojas físicas e online concedem descontos extras (5 a 12%) para pagamento em dinheiro ou no boleto, então vale a pena pechinchar e tentar os melhores preços.

3 – Conheça o Código de Defesa do Consumidor

O que muitas pessoas não sabem é que, apesar das ofertas, os direitos são os mesmos em relação aos produtos comprados na Black Friday ou em outra época do ano, seja nas lojas físicas, seja no e-commerce, ou produtos de mostruário. Por isso, em caso de violação, é importante que o consumidor saiba o que é direito dele.

4 – Prefira lojas e sites confiáveis

Isso evita a dor de cabeça de pagar por um item diferente do que você comprou, que possa vir com defeito ou que simplesmente não chega até a sua casa. Mesmo que o valor seja um pouco mais elevado em uma loja maior, ela é mais segura e você tem mais garantias de que poderá usar seus produtos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui