Exames apontam substâncias cancerígenas em população de Barcarena no PA

Três desses elementos são cancerígenos - o chumbo, cromo e níquel-Foto: Divulgação

Foi divulgado nesta segunda-feira (2) um estudo realizado nos fios de cabelo de 90 moradores de 14 comunidades do polo industrial em Barcarena, nordeste do Pará. O estudo apontou a presença de pelo menos 20 substâncias tóxicas, sendo três deles cancerígenos como o chumbo, cromo e níquel.

A coleta foi realizada entre 2015 e 2017 por conta dos acidentes ambientais causados por indústrias que atuam na região. O Ministério Público do Pará relaciona, pelo menos, 15 acidentes ambientais nos últimos vinte anos.

A Hydro, que recentemente despejou rejeitos sem tratamento que contaminaram rios e igarapés em Barcarena, é responsável por dois empreendimentos no município – a refinaria Hydro Alunorte e a Albrás Aluminio Brasileiro S/A. O G1 entrou em contato com a Hydro e aguarda posicionamento.

A pesquisadora dra. Simone Pereira, do departamento de química da Universidade Federal do Pará (UFPA), disse que os elementos encontrados são extremamente danosos ao ambiente e às pessoas. Segundo ela, o chumbo, por exemplo, foi encontrado bem acima do normal nas amostras coletadas.

“91% da população pesquisada está com níveis de chumbo acima de 6 microgramas por grama, que é o nível médio encontrado em uma população não exposta, como Altamira”, informou a pesquisadora.

Entre a população analisada, segundo a dra., uma criança apresentou nível de alumínio 100 vezes acima do controle; cromo 4 vezes acima; manganês 3 vezes acima; e níquel 2 vezes. A mãe, que autorizou a análise, disse que o menino apresenta problemas na pele, coceiras, além de dores de cabeça constantes. A família consome água encanada, mas usa o igarapé para tomar banho quando falta água.

O relatório foi produzido por pesquisadores da UFPA – Foto: Divulgação

O relatório foi produzido por pesquisadores da UFPA e apresentado no salão paroquial de Barcarena. Os resultados devem ser entregues às autoridades, como Ministério Público Federal (MPF), Governo do Estado e as pessoas analisadas ainda devem passar por novos exames, desta vez de sangue.

A professora Simone Pereira explicou que as análises apontam as substâncias que estão saindo do organismo. Segundo ela, o exame de sangue vai mostrar a contaminação de fato. “O relatório não indica ainda que as pessoas estão doentes. (…) Os que apresentam níveis menores não quer dizer que estejam isentas da contaminação”, explicou.

“Essas pessoas estão precisando de uma atenção maior, principalmente da área da saude, porque a partir do exame de sangue, elas precisam ser tratadas”, alerta.

Investigações

Estão em Barcarena os sete deputados que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Estado (Alepa) para investigar os danos ambientais e sociais causados por mineradoras.

Nesta segunda eles devem seguir para a refinaria da Hydro e visitar as bacias de rejeitos; acompanhar outra mineradora na região; além de passar pelo Porto de Vila do Conde, onde um navio carregado de bois vivos afundou em 2015. Na terça (3), os deputados devem começar a ouvir os moradores de Barcarena do caso Hydro na Alepa, em Belém.

Três desses elementos são cancerígenos – o chumbo, cromo e níquel-Foto: Divulgação

Entenda o vazamento que contaminou rios em Barcarena

As descobertas de irregularidades começaram no dia 17 de fevereiro, quando fotos registraram vazamento de rejeitos da bacia de depósitos da mineradora. Nos dias seguintes, órgãos dos governos estadual e municipal, além do Instituto Evandro Chagas, estiveram no local para dar início às vistorias.

Inicialmente, a Hydro Alunorte se manifestou negando qualquer incidente, garantindo que a bacia se mantivera firme, intacta e sem vazamentos, mesmo com as fortes chuvas no município.

No dia 22 de fevereiro, o Instituto Evandro Chagas divulgou um laudo contrariando a empresa e confirmando a contaminação em diversas áreas de Barcarena, provocada por uma ligação clandestina para eliminar efluentes contaminados da empresa norueguesa. O laudo constatou a presença de diversos metais pesados, inclusive de chumbo, em comunidades ribeirinhas.

No final de fevereiro, o Tribunal de Justiça do Pará (TJ-PA) já havia determinado que a Hydro reduzisse sua produção em Barcarena em 50% e embargou uma bacia de rejeitos da empresa. A refinaria acatou o recurso.

No dia 9 de março, o segundo canal de despejo não autorizado foi descoberto pelo Ministério Público do Pará (MPPA), após uma vistoria realizada nas dependências da Hydro Alunorte. Segundo o MPPA, o canal seria utilizado em situações de grandes chuvas para despejar efluentes sem tratamento diretamente no rio Pará.

No dia 15 de março, a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas) identificou um terceiro ponto de despejo irregular.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui