Amazonas Formal & Informal

Incidente em ônibus pode ser uma “armação para acabar com os cobradores”

Cobradora Valcicleide Lucena Barroso da linha 540, da empresa Expresso Coroado.
Redação
Escrito por Redação

Estão querendo crucificar os cobradores de ônibus de Manaus por conta da irresponsabilidade dos empresários do sistema, em não disponibilizar dinheiro para troco nas catracas dos coletivos da cidade, mas, também, suspeita-se que seja uma armação para dar suporte ao projeto que quer dar fim à categoria.

O incidente envolvendo a cobradora Valcicleide Lucena Barroso da linha 540, da empresa Expresso Coroado na última sexta-feira (3), e a assessora parlamentar Amanda Freire Guimarães, por causa de troco, é um exemplo claro de que a sociedade e parte da imprensa não sabe o que acontece nos porões das empresas e das dificuldades dos trabalhadores do sistema, no dia a dia de atividade.

Cobradora Valcicleide Lucena Barroso da linha 540, da empresa Expresso Coroado.

Conforme disse o vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários, Josildo de Oliveira, a Lei do troco foi criada para defender o usuário, não para ser usada como arma de agressão aos trabalhadores do sistema.

Josildo acredita que a assessora parlamentar foi determinada a criar problemas no ônibus, para sustentar um fato contra os cobradores. “Ela pode ter sido mandada para criar uma imagem negativa dos cobradores e, com isso, passar a emenda que quer acabar com a categoria na Câmara de Vereadores de Manaus”, supõe.

A assessora Amanda Freire Guimarães, conforme o que foi noticiado na mídia, tinha R$ 20 reais para tirar R$ 3,80 da sua passagem. Mas, o correto é que ela estava com uma nota de R$ 50 e, já chegou impondo urgência à cobradora Valcicleide Lucena. Também já chegou com celular em punho, filmando antes da discussão. “Tem todas as característica de incidente encomendado”, sustenta Josildo.

No noticiário, a cobradora, trabalhadora e mãe de família, sequer foi ouvida. Não teve o direito de defesa. Josildo lamenta também que o Sindicato não tenha sido ouvido, nesse caso. Os portais e jornais postaram somente aquilo que a assessora quis que saísse na mídia em uma nota distribuída pelos próprios interessados no incidente. Logo em seguida, foram surpreendidos com uma ação de indenização por danos morais.

Danos morais

As ações pedindo indenizações por Danos Morais, tem virado moda em Manaus. Não só os cobradores vem sofrendo com isso. As maiores vítimas são os Blogs e Portais, que por qualquer motivo, tem sempre alguém pedindo somas vultosas que variam de R$ 25 Mil a R$ 50 Mil por ação.

Curiosamente, essas ações são sempre movidas por advogados desconhecidos, que andam pelos tribunais defendendo pessoas, muitas vezes, envolvidas em crimes contra a sociedade, transformando-as em vítimas, para conseguir angariar uns trocados. Nas peças mal elaboradas, fica visível a tentativa de induzir a justiça ao erro.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário