Por que os vulcões adormecidos voltam à atividade?

Foto: Reprodução

A recente erupção do vulcão Cumbre Vieja, nas Ilhas Canárias, que estava adormecido há 50 anos, chamou a atenção da população mundial para o seguinte detalhe: por que vulcões que permanecem longos períodos sem erupção volta à atividade tempos mais tarde?

Ao contrário do que muitos pensam, não é nada “extraordinário” que uma fenda inativa por bastante tempo volte a derramar magma até mesmo séculos depois. Para isso, precisamos entender quais são os conceitos científicos de vulcões ativos, adormecidos e extintos, e também falar compreender o porquê dessas definições não serem tão simples assim.

Vulcões em atividade

Ao todo, existem potencialmente 1,5 mil vulcões ao redor do planeta, além dos cinturões contínuos de vulcões no fundo do oceano em centros de expansão como a crista oceânica que se estende do Atlântico ao Ártico. Entre eles, cerca de 500 já entraram em erupção no tempo histórico.

São incríveis 169 vulcões potencialmente ativos só nos Estados Unidos. A maioria desses vulcões possuem atividade moderada, como expelir gases e cinzas, além de atividades sísmicas de grau baixo.

Foto: Pixabay

Entretanto, assim como ocorreu com o Cumbre Vieja, existe o risco dessa atividade progredir para o derramamento de lava — sobretudo em regiões com intensa movimentação das placas tectônicas.

Por isso, cientistas desenvolveram sistemas de monitoramento e alarmes para que as comunidades que moram perto de vulcões em atividade saibam quando existe o risco de uma nova erupção. Vulcões que permaneceram muito tempo sem muita atividade são considerados mais “seguros”, mas não estão necessariamente mortos.

Definição científica

Afinal, como diferenciar quando um vulcão está ativo, adormecido ou extinto? Esses são termos que rotineiramente lemos em matérias nos jornais, mas nem sempre ficam tão explícitos. Portanto, vamos tentar simplificar o assunto. Tenha em mente as seguintes definições:

Vulcão ativo: é o nome para qualquer vulcão que teve o mínimo de atividade nos últimos 10 mil anos. Esse tipo de vulcão pode estar em erupção no momento ou considerado adormecido.

Vulcão adormecido: é a terminologia usada para definir qualquer vulcão ativo que não está em erupção no momento. Porém, espera-se que ele entre em erupção uma hora ou outra.

Vulcão extinto: termo usado para citar um vulcão que não teve uma erupção nos últimos 10 mil anos e que não deve entrar em erupção em uma escala de tempo comparável no futuro. Mesmo assim, ainda pode ser “reativado” em algum ponto histórico.

Acordando um vulcão

Segundo um novo modelo proposto por pesquisadores da Universidade de Washington, nos EUA, um vulcão adormecido pode voltar a vida em questão de dias. O projeto baseado na dinâmica dos fluidos mostra que o magma quente nas profundezas pode se misturar com resquícios pegajosos antigos e vir à tona com muito mais facilidade do que se esperava no passado.

Foto: Pixabay

Os cientistas analisaram a erupção do vulcão Pinatubo, nas Filipinas, em 1991, e concluíram que a câmara magmática levou de 20 a 80 dias para ser reativada. Por mais que vulcões extintos não apresentem atividade por muito tempo, eles costumam ser responsáveis pela formação de outras fendas.

Dois exemplos disso são o Monte Baker e o Cume Lassen, que nasceram de vulcões ancestrais de milhões de anos. Evidências mostram que a partir do momento em que um vulcão se estabelece em uma região, esse será o caminho preferido para o magma fluir por muitos anos.

Fonte: Mega Curioso

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui