Povos de Terreiros ocupam o centro do debate no Judiciário

Em defesa da vida, povos de terreiro lançam manifesto - foto: recuperada/redes sociais

Simpósio traz mais de 100 pesquisadores, especialistas, escritores, lideranças sociais, advogados indígenas e negros para gerar reflexões sobre dívidas históricas, memória e cultura em Brasília

Promover o respeito a diversidade e pluralismo de comunidades originárias e tradicionais no Brasil e a reflexão sobre as dividas inseridas no contexto do Bicentenário da Independência.

Estes são os objetivos do III Simpósio Nacional e II Internacional Povos Indígenas, Negros/as, Quilombolas e Religiosos/as De Matriz Africana e Afro-indígena: Decolonialidade e Dívidas históricas do Estado Brasileiro no marco do Bicentenário da Independência que vai reunir especialistas entre os dias 13 a 15 de dezembro de 2022, na Sede da Procuradoria Geral do Trabalho, em Brasília.

Povos originários

Com o tema sobre atuação do Ministério Público e do Judiciário junto aos povos originários e comunidades tradicionais, a programação do simpósio inclui debates, palestras, lançamento e feira de livros, eventos culturais, oficinas temáticas e diálogos interreligiosos.

Povos de terreiros, em Juazeiro-CE – foto: ilustração

Durante os três dias, mais de 100 autoridades do tema estarão reunidas em Brasília para debater como prevenir e enfrentar o preconceito, a discriminação, a intolerância, a violência, o racismo e também para buscar propor reflexões para desconstruir padrões, conceitos e perspectivas impostos aos povos subalternizados durante todos esses anos.

“Este evento é uma oportunidade de colocar o Brasil profundo frente a frente com representantes do Ministério Público, do Judiciário e fazer com que a voz aos povos Indígenas, Negros/as, Quilombolas e Religiosos/as De Matriz Africana e Afro-indígena seja ouvida”, ressalta Edelamare Melo, subprocuradora geral do trabalho.

O evento não cobra taxa de inscrição e é aberto ao público. Assuntos como educação quilombola, intolerância religiosa, direito à saúde dos povos originários e comunidades tradicionais e equidade de gênero e raça no sistema de Justiça serão alguns dos pontos tratados durante os debates.

Negros na magistratura

Segundo a Pesquisa sobre Negros e Negras no Poder Judiciário, desenvolvida pelo Conselho Nacional de Justiça e lançada em setembro de 2021, são 13,2% de magistrados negros e 12,3% de magistradas negras no Brasil.

A projeção é de que a igualdade entre pretos e brancos na magistratura será atingida somente entre 2056 e 2059, se continuar no mesmo ritmo.

Em 2022, o evento inova ao iniciar a capacitação de servidores do Ministério Público da União para garantir o direito ao acesso ao Judiciário de comunidades tradicionais e povos indígenas. O simpósio é uma realização do Ministério Público do Trabalho (MPT), com o apoio da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Serviço:

III Simpósio Nacional e II Internacional Povos Indígenas, Negros/as, Quilombolas e Religiosos/as De Matriz Africana e Afro-indígena: Decolonialidade e Dívidas históricas do Estado Brasileiro no marco do Bicentenário da Independência

  • Data: 13/12/2022 a 15/12/2022
  • Local: Sede da Procuradoria Geral do Trabalho, em Brasília, às 08 horas
  • Ingresso: entrada gratuita e aberto ao públicoConfira a programação completa em nosso site: http://simposioawure.com.br/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui