Público reza ‘Pai Nosso’ para o presidente atacar o STF, governadores e prefeitos

Deus, política e ameaças nas manifestações bolsonaristas - foto: recorte

Bolsonaristas vestindo verde e amarelo, se reúnem na avenida Paulista, em São Paulo, neste sábado (1º) em uma manifestação de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), pela defesa da abertura do comércio sem restrição durante a pandemia e contra o STF (Supremo Tribunal Federal), governadores e prefeitos que fazem oposição ao governo federal.

Éder Câmara de Oliveira, voluntário que coletava assinaturas para a criação do partido Aliança pelo Brasil, disse à reportagem que “esse é o momento em que os brasileiros autorizam o presidente a seguir a Constituição contra os que não a seguem: o STF, os governadores e os o prefeitos. O presidente precisa botar ordem”.

O evento, sem estimativa de público, também defende o voto impresso, seguindo declarações infundadas contra a urna eletrônica que o presidente vem fazendo desde antes de ser eleito.

Em um caminhão parado em frente ao prédio da Fiesp, um dos participantes do protesto avisou que “o presidente está chegando”. A chegada de Bolsonaro é aguardada em São Paulo, apesar de o presidente estar em Brasília (DF), onde já sobrevoou a manifestação na Esplanada dos Ministérios. Em seguida, o público rezou o Pai Nosso é a Ave Maria. Um pastor leu uma passagem da Bíblia e, outro, que assumiu o microfone pouco depois, afirmou que “crente não tem medo de morrer”, referindo-se às milhares de pessoas que participam do ato, aglomeradas e muitas sem máscara. “Prefiro morrer de Covid do que de tristeza”, disse ele, que foi aplaudido. Após pedir que o público se ajoelhasse, o pastor começou a gritar ofensas ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB). “Doria maligno” foi um gritos do pastor, que criticou as medidas restritivas impostas no estado.

Além de protestar contra essas medidas, o protesto pede intervenção militar e o “fim do comunismo”. As orações incomodaram participantes do ato. “Isso aqui não é missa. Eu vim para apoiar o presidente”, diz uma participante da manifestação.

Ela, que não quis se identificar, estava atrás do caminhão de som estacionado em frente ao prédio da Fiesp. Com ela, outros apoiadores de Jair Bolsonaro reclamavam da presença de pastores em cima do veículo. Houve um princípio de tumulto.

Entre as principais pautas do movimento, destacam-se a defesa do voto impresso, o apoio do presidente Jair Bolsonaro, além de críticas a medidas restritivas como forma de combate à pandemia.

Sinal News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui