Terra de corruptos – por Carlos Santiago

Carlos Santiago é Sociólogo, analista político e advogado.

Uma terra de belezas naturais e com riquezas materiais e imateriais imensuráveis, mas com um povo que sofre por causa da corrupção institucionalizada. O parlamento é composto por corruptos pagos mensalmente com o dinheiro das licitações fraudulentas do transporte coletivo; o Poder Executivo cobra propinas das empreiteiras e fornecedores, por outro lado, empresários corrompem governantes por obras e serviços; membros do Ministério Público negociam com o governador cargos para serem desembargador do Tribunal de Justiça Estadual, fraudando o quinto constitucional; membros do Tribunal de Contas do Estado cobrando por pareceres.

Enquanto a corrupção vira uma praga dentro dos Poderes do Estado, o transporte público está sucateado. Passageiros são transportados iguais “sardinhas em lata”, a tarifa é cara e sem qualquer conforto e segurança. Os horários dos itinerários não são respeitados e em muitas localidades sequer têm linhas de ônibus, deixando os moradores aos cuidados dos serviços de transportes clandestinos.

A segurança pública falida. A maioria dos policiais não tem preparo para função, não possui equipamentos modernos e a corrupção mostra sua marca registrada nas abordagens. Há bandidos fardados. As facções criminosas tomam conta de bairros e moradores viram reféns do medo. Jovens são recrutados para o mundo do crime e morrem nos combates entre grupos rivais. Milicianos elegem governantes e oferecem proteção em troca de dinheiro e de silêncio.

A saúde um verdadeiro caos. Faltam médicos, equipamentos e medicamentos. Existe um pacto silencioso para determinar quem morre e quem vive, pois nem todos que precisam de atendimento médico são atendidos. Pacientes choram de dor e seus familiares assistem impotentes aos sofrimentos de seus entes queridos. Muitos recursos da saúde desviados para bancar luxos de corruptos.

Carlos Santiago é Sociólogo, analista político e advogado.

Embora campeã de verbas no orçamento, os números da educação básica da rede pública dão vergonha. Estudantes também enfrentam violências, tráficos de drogas e a falta de merenda. Muitas crianças ficam sem vaga escolar. Metodologias e leituras utilizadas não possuem nexo com a realidade. Professores incapazes de entender a nova geração de jovens. Um “ensino” em que o jovem não sai capacitado para o mercado de trabalho e nem para ser cidadão.

Recentemente, levaram presos ex-dirigentes do Estado e membros de suas famílias, todos acusados de corrupção. Operações da Polícia Federal já viraram rotinas. O Ministério Público Federal com pouco recurso humano luta para recuperar o dinheiro desviado. Existem corruptos instalados dentro do Tribunal de Contas, do parlamento, do Poder Judiciário e do Ministério Público Estadual que precisam ser extirpados.

É preciso dar um basta na corrupção. Estamos num ano de eleições e o eleitor precisa votar bem, votar consciente, votar pelo interesse coletivo. Enquanto não acontece uma reforma do sistema político, inclusive, a democratização dos partidos políticos, somente um voto responsável é capaz de melhorar a qualidade dos governantes e a vida das pessoas.

A corrupção é uma praga na administração pública do Brasil e fica ainda mais perigosa quando é institucionalizada. O povo do Estado do Rio de Janeiro não merece ter passado por tudo isso.

Carlos Santiago é Sociólogo, Analista Político e Advogado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui