Bares são fechados durante operação de combate à poluição sonora

Foto: Divulgação/Semmas

Dois bares foram lacrados pela fiscalização ambiental da Prefeitura de Manaus, durante operação integrada de combate à poluição sonora, na noite de sexta-feira, 17, e madrugada deste sábado, 18/1. Os lacres, invioláveis, foram medidas extremas utilizadas contra estabelecimentos que insistiram em desobedecer as penalidades administrativas aplicadas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) em fiscalizações anteriores. Um dos bares fica situado na praça do Eldorado, zona Centro-Sul, e outro no Centro.

Foto: Divulgação/Semmas

A medida atende recomendação do Ministério Público de Contas (MPC), do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM). A operação contou com a participação dos órgãos que compõem a Comissão Integrada de Fiscalização (CIF), do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC).

Além do lacre, o estabelecimento reincidente da praça do Eldorado teve equipamento de som apreendido. O estabelecimento possui diversos processos. Os bares lacrados estão impedidos de desenvolver qualquer atividade até as devidas regularizações.

A fiscalização também percorreu bares do conjunto Vieiralves, bairro Nossa Senhora das Graças, e autuou um em 100 Unidades Fiscais do Município (UFMs), o equivalente a R$ 10,4 mil, por descumprimento de interdição de uso de som.

Foto: Divulgação/Semmas

De acordo com o diretor de Fiscalização da Semmas, Eneas Gonçalves, os estabelecimentos que insistem em descumprir as medidas impostas correm o risco do lacre.

“Realizamos diversas operações, com autos de notificação, interdição e multas lavradas. Além disso, convocamos a todos para participarem de reunião integrada com os órgãos da CIF a fim de orientar e alertar para as penalidades. Mesmo assim, alguns empreendedores continuam insistindo em não sanar os danos e sendo alvos de denúncia”, observa Eneas.

Em 2019, só nas operações noturnas integradas foram realizadas 202 vistorias em bares e similares. Nos últimos três anos, 685 estabelecimentos foram autuados.

A CIF contou com a participação do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU), Batalhão de Policiamento Ambiental, Força Tática da Policia Militar, Polícia Civil, Juizado da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça e Corpo de Bombeiros.

2 COMENTÁRIOS

  1. Deveriam fazer este tipo de fiscalização nos flutuantes. O som é ensurdecedor pra que mora próximo.
    Não consigo registrar reclamações pq nenhuma delegacia quer receber, se liga e manda de uma pra outra. O restante fechado.
    As festas são veiculadas e se sabe muito bem dia , hora e o volume absurdo.
    Mas é no meio do rio e como incomoda poucos , não há fiscalização.
    O Tarumã Açu está cheio de flutuantes sem tratamento de dejetos, estão contribuindo com a poluição dos rios e degradação da natureza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui