Empresário é acusado de estuprar menina de dez anos em Presidente Figueiredo

Menina de dez anos acusa empresário de estupro em Presidente Figueiredo - foto: Reprodução/Internet

Um caso grave de estupro de vulnerável, exploração sexual e aliciamento, está sendo investigado pelos agentes do 37 DIP em Presidente Figueiredo, sob a responsabilidade do DR. Campelo Delegado Titular. A menor P.S.G. de apenas 10 anos de idade, acusa o empresário Carlos Augusto Barreto Reis, 58 anos, proprietário do Restaurante Barreto no Parque do Urubui, de já vir à cerca de um ano e meio, sofrendo exploração sexual, aliciamento e estupro, por parte do acusado, em seu sítio( Sítio do Barreto), localizado na Comunidade Cristo Rei no Km 28 da Am 240(Estrada de Balbina).

O caso veio à tona através de uma denúncia ao Conselho Tutelar, quando no dia 10/10 a Conselheira Jeciane Medeiros recebeu uma denúncia de exploração sexual, indo então verificar com o apoio da Polícia Militar no endereço do sítio do acusado, constatando as evidências e após isso, solicitou apoio da também Conselheira Sandra Nascimento e após os procedimentos no 37 DIP, acompanharam a menor P.S.G. até a capital e após os exames médicos realizados, ficou constatado fissura anal, presença de um líquido branco podendo ser esperma do agressor e sintomas de candidíase.

Menina de dez anos acusa empresário de estupro em Presidente Figueiredo – foto: Reprodução/Internet

Em seu depoimento, a menor afirma que após a separação de seus pais, passou a morar com seus padrinhos que são caseiros do Sítio do Barreto (Não citaremos os nomes dos padrinhos para preservar a identidade da menor), já há cerca de um ano e meio e que durante esse período, vem sendo estuprada, aliciada e sofre exploração sexual. A menina afirma que seus padrinhos sabem de toda a situação e que são coniventes. Que por diversas vezes seus padrinhos saiam do sítio e a deixavam sozinha com Carlos Barreto e que nestes momentos ele aproveitava para cometer os abusos contra ela.

P.S.G. conta ainda, que Carlos Barreto a levava para a cama dos padrinhos, colocava uma arma em cima da cama e a ameaçava: “Se tu contar para qualquer pessoa, eu vou matar teu pai”. Em seguida, ele mandava q ela tirasse a roupa, começava então a praticar sexo oral na mesma e a obrigava a fazer o mesmo com ele, chegando até a ejacular em sua boca. Carlos Barreto a beijava na boca, segundo suas declarações e depois “gozava”em cima de suas partes. Os padrinhos, quando iam sair, falavam a ela: “Te arruma que o Carlos Barreto já vai chegar”. Então saiam e retornavam quando Carlos ainda se encontrava no local, quando então ela ia tomar banho e se arrumar para ir a escola.

O empresário encontra-se preso e em seu depoimento negou todas as acusações que lhe estão sendo imputadas, já passou por exames de coleta de DNA para comparar com o material colhido da menor e em seu depoimento levantou suspeitas sobre o padrinho da vítima, afirmando que ele levava a criança e ia buscá-la na escola sozinho. Diante destes fatos, só o laudo do IML poderá esclarecer a veracidade de todas essas acusações e, enquanto isso, o Sr. Carlos Barreto permanecerá detido enquanto que a menor P.S.G retornou à casa de seu pai.

Fonte: Portal do Urubui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui