Wilker vai destinar R$ 100 mil para a criação de um banco de leite

Foto: Wilkinson Cardoso

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) irá destinar uma emenda impositiva de R$100 mil para a criação de um banco de leite materno para o Instituto da Mulher e Maternidade Dona Lindu, localizado na avenida Mário Ypiranga, bairro Adrianópolis, Zona Centro-sul de Manaus. A sugestão do parlamentar acontece após visita de fiscalização na unidade de saúde, realizada na última segunda-feira (23), onde foi constatado a ausência do espaço voltado exclusivamente para a amamentação dos recém-nascidos, além de outras falhas.

Acompanhado da diretora do Instituto de Mulher, Marilsa Matias, da secretária geral do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Patrícia Sicchar, do presidente do Sindicato do Corpo dos Bombeiros, José Mendes, e também do deputado estadual Dermilson Chagas (PP), Wilker lamentou que a maternidade, considerada referência em atendimentos voltados à mulher na capital, não tenha um banco de leite para armazenamento, distribuição e conservação do líquido indispensável para os bebês.

“Uma maternidade que é a principal referência em atendimentos às mulheres grávidas tanto na capital quanto no interior, onde os números são melhores que o Balbina Mestrinho e o Ana Braga, não pode ficar sem um banco de leite materno. Estamos falando de algo imprescindível para a saúde do bebê, que é a nutrição da criança recém-nascida, que custa tão pouco, mas que o Governo não se atenta. Por isso, juntamente com o deputado Dermilson, vamos sugerir, no seio da Comissão de Saúde, uma emenda impositiva na Assembleia para a criação deste espaço na Dona Lindu. Darei R$ 100 mil porque as mamães e os bebês não podem esperar”, comentou o Líder da Minoria.

Outro problema encontrado foi a falta de medicamentos e itens de Produtos Para Saúde (PPS) na unidade. Segundo os relatórios, 47% do material necessário para atendimentos se encontra em estado crítico ou zerado no estoque. Sondas, esparadrapos, luvas cirúrgicas, antibióticos e remédios para pressão arterial são alguns dos medicamentos que não constam no estoque.

Foto: Wilkinson Cardoso

“Na minha última visita aqui em maio, faltavam 64 itens de PPS. Hoje, são 103 que não tem. Em medicamentos de farmácia eram seis, hoje somam 52, ou seja, mais que quadruplicou. Isso só mostra que o Governo está expondo as mamães ao risco. É inadmissível que a Central de Medicamentos do Amazonas (Cema) receba milhões, mas que não abasteça as unidades de saúde. Isso é uma falta de sensibilidade”, ressaltou Barreto.

Já na parte estrutural da unidade, 48 extintores estão vencidos há três meses e alguns andares do prédio estão com aparelhos de ar-condicionado sem funcionar há 90 dias. Mas de acordo com a direção do hospital, a situação é pontual e já está sendo resolvida.

Direção

Inaugurado em 2010, o Instituto da Mulher atualmente tem quatro andares e 179 leitos, atendendo demanda da capital e do interior.

Apesar dos problemas, Wilker parabenizou a direção do hospital pelo esforço diante do cenário caótico e afirmou que irá cobrar providências por parte da Secretaria de Estado de Saúde (Susam).

“O corpo da instituição é formado por grandes guerreiros, que praticamente fazem milagres todos os dias. Mesmo com os salários atrasados, problemas na infraestrutura e falta de apoio por parte do atual governo, os profissionais estão de parabéns pelo esforço, empenho e amor no coração. São verdadeiros heróis e salvam vidas, enquanto que a atual gestão prefere licitar R$ 50 milhões em evento e não dá prioridade para a saúde”, ponderou o deputado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui