David Reis desafia a Justiça, dois vereadores e a moralidade no serviço público

A gastança de david reis na CMM, está incomodando a população, dois vereadores que já estão entrando com Ação - foto: recorte/vídeo

Uma nova investida do presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), David Reis (Avante), distribuindo Pick-Up (Zero Km) para ele, aos presidente e o vice-presidente de cada uma das 23 comissões, além dos membros da Mesa Diretora, está sendo vista como mais uma imoralidade pública e um desafio à justiça do Estado.

Somados os 46 aluguéis a título de “estruturação e instrumento de trabalho para os vereadores e mais oito membros da Mesa conforme disse o próprio David Reis (vídeo), a Câmara terá de contratar 54 veículos, mais combustíveis, mais manutenção além dos R$ 18 mil para cada vereador gastar com as ditas “despesas da atividade parlamentar’.

Questionado se isso seria uma regalia, David Reis disse que eles, os vereadores, não estão em um “parquinho de diversão”, que a atividade deles é séria e que as Pick-Up e os R$ 18 Mil são extremamente necessários. Garantiu ainda que os vereadores precisam desses aditivos extras para se movimentarem.

O presidente da Câmara vem sendo bombardeado, sistematicamente, pela mídia exatamente por causa desses excessos com as verbas públicas gastas em benefício único dos parlamentares.

Puxadinho

Assim como acha necessário as Pick-Up, David Reis vê como normal, o aluguel de computadores e a construção de um anexo na Câmara por quase R$ 32 milhões, sem necessidade e em plena pandemia.

O puxadinho do David Reis está sendo questionado pela população e por dois vereadores. Dos 41 vereadores, Amom Mandel (sem partido) e Rodrigo Guedes (PSC) foram os únicos que se manifestaram contra a nova obra.

Guedes considera desnecessária e imoral a ampliação dos gabinetes dos parlamentares em face das necessidades da população manauara, como emprego e renda, e, até mesmo alimentação e moradia.

De acordo com Guedes, se David Reis desistisse de construir o novo anexo e resolvesse aplicar o dinheiro em auxilio emergencial para a população, por exemplo, daria para pagar quase 20 mil famílias durante um ano inteiro.

Para o vereador Amom Mandel, não há explicações plausíveis para uma construção com valor tão alto, oito vezes maior que o custo total do primeiro anexo da CMM, principalmente nas condições sociais atuais.

Conforme a ação uma Ação Judicial a ser encaminhada por ele e por Rodrigo Guedes, a proposta da obra representa a prevalência dos interesses pessoais em detrimento dos interesses coletivos da população, que não serão

Sobre a obra

Com o valor de R$ 31.979.575,63, conforme o Edital de Concorrência nº 001/2021, que dispõe das condições para o processo de licitação para contratação de empresa de engenharia, a obra deve alocar os servidores e parlamentares da Casa Legislativa, assim como os visitantes.

O prédio deve possuir quatro andares e um total de quase 12 mil metros quadrados, conforme o plano diretor da obra. A data do processo licitatório será dia 18 de outubro deste ano, na forma de concorrência pública.

Entre as justificativas para a obra a presidência da CMM alega que é preciso dotar o espaço de “condições dignas de uso aos diversos ambientes existentes, aos parlamentares, colaboradores e comissionados e mesmo a pessoas que visitam rotineiramente a casa legislativa”, diz um trecho do edital.

O novo prédio contará com quase 12 mil metros quadrados distribuídos em subsolo, garagem, e mais quatro andares. O novo “puxadinho” também terá 4 elevadores. O custo estimado do cada metro quadrado ultrapassa os R$ 2,8 mil.

O vereador Amom Mandel divulgou o edital completo da licitação, para acessar basta clicar no seguinte link: https://bit.ly/3zfFccD

Correio da Amazônia com a o AM Post

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui